terça-feira, maio 17, 2016

Comprar: "een andere afloop" e "um outro fim"


Estão à venda, ainda, alguns exemplares de peça de teatro que publiquei no final de Abril. "um outro fim" e "een andere afloop" são dois opúsculos (32 e 48 páginas, respectivamente) que têm características diferentes.





O primeiro é uma edição mais simples. Com um trabalho belíssimo de capa de Edgar Silva a partir de uma fotografia de Jos van den Hoogen, esta edição tem apenas o texto em português e poderá ser comprada por 4 euros. Envio por correio acresce 0,50 euros ao preço final. (ver mais aqui: http://silenciosasdiscussoes.blogspot.pt/2016/03/um-outro-fim.html )

 



Já "een andere afloop" é uma edição especial - são apenas 34 exemplares - e com muito trabalho artístico. É constituído por um livro com um tipo de papel especial e com uma capa pintada (cada exemplar é trabalhado e pintado de forma diferente) pelo Jos van den Hoogen. Para além da pintura única por exemplar, será acompanhado por uma fotografia única (num tamanho aproximado de 14cmx22cm) que não será reproduzida para mais ninguém. Os fotógrafos Alexandre Costa, Pedro Carvalho e Ricardo Marta são os autores de 33 fotografias, existindo 1 (uma) que será tirada por mim. Esta edição é bilingue (português e neerlandês), tendo sido traduzida a peça pelo também pintor Jos. Para além destes elementos, será oferecido um exemplar da edição em português. Todos estes elementos artísticos serão ainda entregues dentro de uma caixa feita e trabalhada propositadamente para esta edição. O preço final será de 20 euros. Envio por correio acresce 1 euro ao preço final. (ver mais aqui: http://silenciosasdiscussoes.blogspot.pt/2016/03/een-andere-afloop-edicao-especial-e.html )


Caso estejam interessados, enviem email para silenciosasdiscussoes@gmail.com (com indicação no assunto: um outro fim) e dar-vos-ei as indicações para efectuar o pagamento e para o envio do exemplar. 

sexta-feira, abril 22, 2016

3 de Maio no Auditório do Escola Velha - Gouveia: apresentação de "um outro fim" e de "een andere afloop"




No próximo dia 3 de Maio de 2016, pelas 18h30, no Auditório do Escola Velha, em Gouveia, será feita a apresentação da edição em Português da peça um outro fim, de Daniel António Neto Rocha, e, também, a apresentação de 34 exemplares da edição especial bilingue (Português e Neerlandês) een andere afloop, traduzida e pintada por Jos van den Hoogen e complementada com trabalhos fotográficos de Alexandre Costa, Pedro Carvalho e Ricardo Marta.
Durante a sessão será lida integralmente a peça por dois actores o Escola Velha – Teatro de Gouveia.


Sinopse
Um outro fim é uma peça de teatro onde, no meio de uma casa em construção, uma pausa desperta um diálogo incomum e uma situação absurda. Duas pessoas, que não se conhecem mas que se relacionam profissionalmente, ficam então a saber mais sobre as estranhas errâncias do Fim.


Autor
Daniel António Neto Rocha (1982)
Nasceu na Guarda em 1982, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e Especializado em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC).
            Escreveu para teatro as peças: Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2011 (em colaboração); Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012; A Casa da Memória (2013); Um Outro Fim (2013); O Juízo das Casas (2014); Visita encenada ao Juízo (2014); Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2015 – In taberna quando sumus (2015); e História Breve de Pinhel em Um Acto (2015). Adaptou também para teatro o romance de Camilo Castelo Branco O Bem e o Mal (2014).
Encenou as peças Um Outro Fim (2013), para o Lab~, Teatro Municipal da Guarda, e O Juízo das Casas (2014), Visita encenada ao Juízo (2014), O Bem e o Mal (2014), História Breve de Pinhel em Um Acto (2015), para o Teatro do Imaginário. Tem, também, efectuado encenações e coordenação de espectáculos em contexto escolar e formativo.
Como actor integrou produções nos seguintes grupos de teatro: Grupo “Natural Invenção” (Escola Secundária Cristina Torres, Figueira da Foz); Teatro do Tintinolho (Guarda); Teatro do Imaginário (Manigoto, Pinhel); e Teatro do Calafrio (Guarda). Para além destes grupos, participou em várias representações do Teatro Municipal da Guarda e da Câmara Municipal da Guarda.
Publicou: Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2011; Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012; Refracções em três andamentos (2012); A Casa da Memória (2013); O Convento (2014); Tenho uma pedra na cabeça no lado esquerdo anterior frontal ou nada disto (2014); Bloemlezing 7+7+1 (edição especial bilingue – português e neerlandês - 2015); O Convento (2.ª edição, 2015).


Tradutor e Pintor
Jos van den Hoogen
Jos van den Hoogen (1949) é holandês e licenciado em Linguística e Literatura Neerlandesa, com especialização na aprendizagem de línguas, na Universidade de Nijmegen. Foi professor de Língua Neerlandesa na Universidade de Ciências Aplicadas, na formação de professores e de tradutores. Participou num projecto universitário dedicado ao ensino da Língua Neerlandesa a crianças que cresceram com um dialecto regional como língua materna. Foi membro da direcção de fundações na área da educação e da formação artística. Teve aulas de pintura com Pieter Sonnemans (ver sítio josvandenhoogen.com) e aulas de Português na Universidade de Maastricht e, depois, com o Daniel Rocha. Depois da aposentação, veio viver em 2012 para Portugal com a sua esposa. Para além das traduções para o neerlandês de textos do Daniel Rocha, está a traduzir para Português poemas do famoso poeta neerlandês Lucebert.


Fotógrafo
Alexandre Costa
Luís Alexandre Bento Costa nasceu no dia 7 de Maio do ano 1987 na cidade da Guarda. Por volta do ano 2009, associado ao prazer do contacto com a natureza, surge o gosto pela fotografia. Inicialmente, os registos capturados pelo autor cingiam-se apenas à fotografia paisagística, o que mais tarde não foi regra. Desta forma alargou os seus horizontes. Hoje conta com registos em diferentes áreas, tentando sempre que o Pitoresco esteja presente. No seu trabalho destaca-se o preto e branco, restringindo a fotografia a uma maior simplicidade e evitando que a abundância de cores seja uma distracção. Com as características referidas anteriormente o autor pretende deixar o cunho pessoal nas suas obras de forma a que quem as veja o identifique com facilidade.


Fotógrafo
Ricardo Marta
Ricardo Marta nasceu na Guarda em 1980. Frequentou a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, no curso de Eng. Eletrotécnica e de Computadores. Foi formador nas áreas da Eletrónica e TIC. Paralelamente, a paixão pela fotografia foi crescendo e atualmente é pago para fazer o que mais gosta, fotografar. Especializou-se, através de alguns cursos, em fotografia de casamento.


terça-feira, abril 19, 2016

30 de Abril na BMEL - Guarda: lançamento e apresentação de "um outro fim" e de "een andere afloop"





No próximo dia 30 de Abril de 2016, pelas 16h, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, será feita a apresentação e lançamento da edição em Português da peça um outro fim, de Daniel António Neto Rocha, e, também, a apresentação de 34 exemplares da edição especial bilingue (Português e Neerlandês) een andere afloop, traduzida e pintada por Jos van den Hoogen e complementada com trabalhos fotográficos de Alexandre Costa, Pedro Carvalho e Ricardo Marta.
A apresentação dos opúsculos será feita por Patrícia Couto, do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Durante a sessão será lida integralmente a peça por dois actores: Carla Morgado (Aquilo Teatro) e Pedro Sousa (Acert).



Sinopse
Um outro fim é uma peça de teatro onde, no meio de uma casa em construção, uma pausa desperta um diálogo incomum e uma situação absurda. Duas pessoas, que não se conhecem mas que se relacionam profissionalmente, ficam então a saber mais sobre as estranhas errâncias do Fim.


Autor
Daniel António Neto Rocha (1982)
Nasceu na Guarda em 1982, mas foi em Famalicão da Serra que cresceu. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses, e Especializado em Ensino de Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS), na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC).
            Escreveu para teatro as peças: Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2011 (em colaboração); Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012; A Casa da Memória (2013); Um Outro Fim (2013); O Juízo das Casas (2014); Visita encenada ao Juízo (2014); Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2015 – In taberna quando sumus (2015); e História Breve de Pinhel em Um Acto (2015). Adaptou também para teatro o romance de Camilo Castelo Branco O Bem e o Mal (2014).
Encenou as peças Um Outro Fim (2013), para o Lab~, Teatro Municipal da Guarda, e O Juízo das Casas (2014), Visita encenada ao Juízo (2014), O Bem e o Mal (2014), História Breve de Pinhel em Um Acto (2015), para o Teatro do Imaginário. Tem, também, efectuado encenações e coordenação de espectáculos em contexto escolar e formativo.
Como actor integrou produções nos seguintes grupos de teatro: Grupo “Natural Invenção” (Escola Secundária Cristina Torres, Figueira da Foz); Teatro do Tintinolho (Guarda); Teatro do Imaginário (Manigoto, Pinhel); e Teatro do Calafrio (Guarda). Para além destes grupos, participou em várias representações do Teatro Municipal da Guarda e da Câmara Municipal da Guarda.
Publicou: Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2011; Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012; Refracções em três andamentos (2012); A Casa da Memória (2013); O Convento (2014); Tenho uma pedra na cabeça no lado esquerdo anterior frontal ou nada disto (2014); Bloemlezing 7+7+1 (edição especial bilingue – português e neerlandês - 2015); O Convento (2.ª edição, 2015).


Apresentação

Patrícia Couto
Patrícia Couto nasceu em Amsterdão, licenciou-se em Filologia Germânica em Coimbra  (FLUC 1975), tem um mestrado em Literatura Comparada (FLUL 1996) e é doutorada em Estudos de Tradução  (FLUL 2012). É membro do Centro de Estudos Comparatistas (FLUL) e foi responsável pelo Instituto de Língua e Cultura Neerlandesa da Faculdade de Letras (UL). Traduziu autores neerlandeses como Jan Slauerhoff, Gerrit Komrij, Cees Nooteboom e Etty Hillesum.


Tradutor e Pintor

Jos van den Hoogen
Jos van den Hoogen (1949) é holandês e licenciado em Linguística e Literatura Neerlandesa, com especialização na aprendizagem de línguas, na Universidade de Nijmegen. Foi professor de Língua Neerlandesa na Universidade de Ciências Aplicadas, na formação de professores e de tradutores. Participou num projecto universitário dedicado ao ensino da Língua Neerlandesa a crianças que cresceram com um dialecto regional como língua materna. Foi membro da direcção de fundações na área da educação e da formação artística. Teve aulas de pintura com Pieter Sonnemans (ver sítio josvandenhoogen.com) e aulas de Português na Universidade de Maastricht e, depois, com o Daniel Rocha. Depois da aposentação, veio viver em 2012 para Portugal com a sua esposa. Para além das traduções para o neerlandês de textos do Daniel Rocha, está a traduzir para Português poemas do famoso poeta neerlandês Lucebert.


Fotógrafo

Alexandre Costa
Luís Alexandre Bento Costa nasceu no dia 7 de Maio do ano 1987 na cidade da Guarda. Por volta do ano 2009, associado ao prazer do contacto com a natureza, surge o gosto pela fotografia. Inicialmente, os registos capturados pelo autor cingiam-se apenas à fotografia paisagística, o que mais tarde não foi regra. Desta forma alargou os seus horizontes. Hoje conta com registos em diferentes áreas, tentando sempre que o Pitoresco esteja presente. No seu trabalho destaca-se o preto e branco, restringindo a fotografia a uma maior simplicidade e evitando que a abundância de cores seja uma distracção. Com as características referidas anteriormente o autor pretende deixar o cunho pessoal nas suas obras de forma a que quem as veja o identifique com facilidade.


Fotógrafo

Ricardo Marta
Ricardo Marta nasceu na Guarda em 1980. Frequentou a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, no curso de Eng. Eletrotécnica e de Computadores. Foi formador nas áreas da Eletrónica e TIC. Paralelamente, a paixão pela fotografia foi crescendo e atualmente é pago para fazer o que mais gosta, fotografar. Especializou-se, através de alguns cursos, em fotografia de casamento.


Fotógrafo

Pedro Carvalho
Pedro Carvalho nasceu na Guarda. Técnico de Informática de profissão, tem na fotografia um gosto que o faz correr.

sexta-feira, abril 15, 2016

22 de Abril em Gouveia: "Em Nome De Vergílio Ferreira" - Sarau Cultural






 

22 de Abril (sexta-feira), pelas 21h, no Teatro-Cine de Gouveia

O Instituto de Gouveia irá, à imagem de outros anos, realizar o seu Sarau Cultural. Este perseguirá o objectivo de ser uma mostra de saberes adquiridos ao longo do ano por todos os alunos, espalhados por variadíssimas disciplinas: Literatura, Teatro, Dança, Música, Imagem.
O centro de abordagem deste ano do Sarau, que se vislumbra desde logo no título atribuído – Em Nome De Vergílio Ferreira -, é o escritor e pensador Vergílio Ferreira, cujo centenário a cidade de Gouveia está a celebrar durante o ano de 2016. É, pois, uma obrigação revisitar a obra deste autor natural do concelho de Gouveia, sempre pretendendo, acima de tudo, que os participantes no Sarau e o próprio público (que a ele possa assistir) se sintam tentados a conhecer (mais) um dos seus conterrâneos que se imortalizou através da Literatura.  

quarta-feira, abril 13, 2016

CalaFrio apresenta "Diário de um louco" - 21, 22 e 23 de abril, pelas 21.30 horas, no Teatro Municipal da Guarda



O Teatro do CalaFrio estreia no dia 21 de abril, pelas 21.30 horas, no Teatro Municipal da Guarda, a sua nova produção: Diário de um louco, de Nicolai Gogol. Esta é a quarta produção do Teatro do Calafrio, depois de apresentar textos de Kafka, Tchekhov e Melville.

Sessões nos dias 21, 22 e 23 de abril, pelas 21.30 horas no Teatro Municipal da Guarda.

Teatro do CalaFrio
apresenta
"Diário de um louco" de Nikolai Gógol

Encenação: Américo Rodrigues
Dramaturgia: Américo Rodrigues e Luciano Amarelo
Interpretação: Luciano Amarelo (Aksénti Ivánovitch)
                             Élia Fernandes (Mavra)

Música original (piano ao vivo): Élia Fernandes

Desenho de luz: José Neves

Operação de luz: João Paulo Neves
Fotos de cena, teaser e apoio técnico: Alexandre Costa

Produção: Calafrio- Associação Cultural


SINOPSE

"(...) O herói, o eterno funcionário miserável de Gógol, assume em Diário de Um Louco, apesar e, talvez, por causa do delírio psicótico em que... se refugia, contornos muito humanos e comoventes. Como sempre, a arte gogoliana de misturar o real e o fantástico, o normal e o patológico, o razoável e o delírio, imperam em Diário de Um Louco, a ponto de o leitor se sentir desconfortavelmente a assistir ao sofrimento de um ser humano a quem a identidade se vai estilhaçando com a rapidez e a intensidade de um pequeno conto.
Filipe Guerra

"(...) Eis Diário de Um Louco, sonho monstruoso, grotesco, estranho e caprichoso do artista, brincadeira bondosa sobre a vida e o homem, sobre o homem miserável e a vida miserável (…) mas ainda estamos a rir-nos do desgraçado simplório e já o nosso riso se dilui na amargura (…)"
Vissarion Belínski


O AUTOR

Gogol: "Escritor russo nascido a 31 de março de 1809, em Mirgorod, na Ucrânia. Aos 19 anos instalou-se em Sampetersburgo, tentando seguir uma carreira literária e conseguindo apenas um posto de funcionário e, depois, de professor de História. Escreve contos baseados nas recordações da Ucrânia e reúne-os sob o título de Os Serões na Herdade perto de Dikanka (1831). Estas narrativas acumulam personagens e situações cómicas, detalhes realistas e ingénuos, e trazem rapidamente a celebridade ao autor. Continua com Mirgorod (que inclui uma curta primeira versão de Tarass Bulba) e Arabescos (1835). A novela O Capote, que Dostoievski considera estar na origem do romance russo, foi publicada em 1842. A peça O Inspetor Geral satirizava a burocracia corrupta da época, o que veio a provocar grande controvérsia. Gogol parte em viagem e durante esse período (1836-48) inicia Almas Mortas (1842), uma sátira realista, que mais uma vez gera polémica. Procura explicar-se em Trechos da Correspondência com os Amigos (1847), revelando afinal um espírito conservador, o que vai ser totalmente incompreendido pela geração que o via como um pioneiro de um tempo novo. Entretanto abandona-se a uma crise espiritual que o conduz à renúncia e ao ascetismo. Morre a 4 de março de 1852, pouco tempo depois de ter queimado a segunda parte de Almas Mortas. Considerado um precursor do romance realista na Rússia, a sua obra atinge igualmente o domínio do poético, do lírico, do fantástico e do irracional."



DEDICATÓRIA

Há 50 anos Jacinto Ramos estreava "Diário de um louco" em Portugal, numa encenação de Jorge Listopad com música original de Jorge Peixinho.
Teatro do Calafrio dedica a sua montagem de "Diário de um louco" ao grande actor português Jacinto Ramos (que era originário de Trancoso).