terça-feira, junho 29, 2010

Crónica: Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão

Recupero, para vós, uma crónica publicada em 2009 sobre a Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão.


"1. Tal como já vem sendo habitual, a discussão e a exploração de ideias contrárias ou de pontos de vista diferentes em relação aos incêndios florestais tem um lugar privilegiado na Jornada de Análise ao Acidente de Famalicão, em Famalicão da Serra, distrito e concelho da Guarda. Tal como deve ser habitual, a colaboração entre os vários saberes teóricos (na sua grande parte pertencentes aos investigadores ou, se preferirem, cientistas) e os saberes práticos (aqui bem representados entre os vários agentes da protecção civil, onde os bombeiros voluntários têm uma grande preponderância) é essencial para uma leitura correcta e aprofundada daquilo que tem sido bem ou mal feito pelas várias forças no terreno. Terão sempre os cientistas razão? Não! Também eles o admitem, mas têm a capacidade de não estarem completamente errados e de quererem discutir a fim de se atingir a correcta interpretação dos dados observáveis. Aqui entra a Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão. Desde o seu início e depois da trágica morte dos nossos colegas e do meu irmão, foi com um grande sentido de missão que nos agarrámos a uma sugestão do Professor Xavier Viegas. Esta actividade que iremos repetir é, afirmo-o, talvez o único “staff ride” que se realiza no continente europeu e um dos poucos que ocorrem a nível mundial. Sim, tirando o caso de Mann Gulch (acidente ocorrido com bombeiros “fire jumpers” em 1949) em que ocorrem periodicamente “visitas de estudo” ou “staff rides” e de outros locais nos Estados Unidos da América, a Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão é um momento que faz todo o sentido, que pode fazer toda a diferença e que traz uma grande oportunidade a quem nela participa de recolher saberes que são imprescindíveis à nossa actividade enquanto bombeiros.

2. A tristeza e a dor são perenes, admito-o com a certeza de uma confusão de sentimentos que me bloqueiam a mente. Será este um dia de dor e de tristeza? Sim. Será esse o sentimento que o dia vai transparecer? Não! Mais do que chorar a perda através de sentimentos de tristeza e dor, acredito que a celebração da vida e dos ensinamentos que os que partiram nos deixaram é aquilo que nos poderá fazer sentir realizados perante o vazio corporal. Podem perguntar “Sentes saudades?” e eu reponderei “Se sinto...”. Podem fazer-me propostas impossíveis como “Querias partilhar o cansaço até hoje acumulado com o teu irmão mais velho?” e eu reafirmaria “Não desejaria nada mais.” Este é um encontro para celebrar a existência de quem nos ensinou e quer que continuemos a aprender. Este é um encontro para alertar os vindouros dos perigos que o ser bombeiro encerra. Este é um encontro para perdurar como vida que nasceu dos homens. Este é o encontro onde recordamos verdadeiramente os homens e a sua obra. Este é o encontro onde o Sérgio, o Juan, o Henry, o Fabián, o Bernabé e o Sérgio reconhecem que a sua vida fez sentido… em todos nós!

3. Esta Jornada é diferente! Podem ter a certeza disso. Nada aqui acontece por acaso. Tudo faz sentido e tudo se adequa à nossa própria existência enquanto homens. Aqui tudo é vida e sentimento; tudo é sorriso e ensinamento; tudo é lembrança e pensamento. Esta Jornada é diferente porque não se preocupa com o dinheiro que não existe. Esta Jornada é diferente porque quem participa o faz de coração aberto. Esta Jornada é diferente porque celebra a vida. Esta Jornada faz sentido porque tem sentimento.

4. Descubram a importância de lembrar! Estamos à vossa espera!

http://www.bombeiros.pt/staff_raid/jornadas.php

Famalicão, 28 de Junho de 2009

Daniel António Neto Rocha

(Texto publicado no Portal Bombeiros.pt - 29 de Junho a 6 de Julho de 2009, e disponível no link: http://www.bombeiros.pt/entrevista/entrevista.php?id=32)"

quarta-feira, junho 23, 2010

11. Crónica Altitude – Crónica das “vontades”

1. Ser-me-ia completamente impossível o desvio de um tema que marcou a sociedade, em geral, e a literatura, em particular. Refiro-me, como é óbvio, à morte de José Saramago. Desta morte, apenas posso lamentar a perda de um exímio criador ficcional e de um ser humano frontal e coerente. Dos defeitos e feitios afasto-me com a orgulhosa pretensão de não ter conhecido o homem para a ele poder associar tudo aquilo que dele se diz. Enquanto uns, movidos pelas Presidenciais de 2011, se preocupavam em discutir a maléfica ausência de Cavaco Silva das cerimónias fúnebres, eu preocupei-me em perceber melhor, através da observação e da leitura, tudo aquilo que era mostrado nas páginas de jornais, em blogues e em discursos vários. Para além de ter ficado emocionado com as vénias de todo o mundo em direcção à obra do autor de “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, fiquei extremamente convencido da projecção mundial das mensagens que Saramago emanou. Na longa demora emotiva que é provocada em quem tem o terrível direito a acompanhar um ente querido à cova, apercebi-me da já referida mesquinhez de todos aqueles que não se coíbem em aproveitar todos os momentos para ter ganhos próprios. Daí que, repentinamente, me lembrei da minha cidade e de toda a complexidade que nela se encerra. Quantos, de nós, terão aplaudido a mesquinhez e quantos terão mantido o silêncio honroso que deve acompanhar aquela última despedida? Quantos terão pensado que o invocar de questiúnculas políticas sobre um caixão é uma táctica eficaz e quantos terão ficado desiludidos com essa atitude mesquinha?


(...)
Guarda, 22 de Junho de 2010
Daniel António Neto Rocha


(Crónica Radiofónica - Rádio Altitude, no dia 23 de Junho de 2010 - disponível em podcast em Rádio Altitude)

terça-feira, junho 22, 2010

Inscrições na IV Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão - Guarda

Já está disponível a aplicação para inscrição na IV Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão - Guarda.

...
Noutros países do mundo, os locais onde se dão acidentes com bombeiros servem como espaços de investigação e de aprendizagem, especialmente no que diz respeito ao fenómeno “Blow-up” ou “efeito chaminé” (como vulgarmente é conhecido no seio dos bombeiros). Nesses espaços de investigação e reflexão são recolhidos ensinamentos que ajudam a educar e sensibilizar os bombeiros para a importância dos equipamentos de protecção individual e assim tentar evitar tragédias similares.

Este evento é organizado em colaboração pela Associação Amigos Bombeirosdistritoguarda.com (AABDG), pelo Projecto Sérgio Rocha e pelo Centro de Estudos de Incêndios Florestais (CEIF), e terá o apoio de diversas entidades ligadas à Protecção Civil. Os trabalhos serão conduzidos pelos organizadores
.

No dia
10 de JULHO de 2010, junte-se a nós na reflexão aprofundada sobre o acidente ocorrido a 9 de Julho de 2006 em Famalicão da Serra e na singela homenagem aos companheiros falecidos em combate. As conferências e a preparação do “staff-ride” ocorrerão na Casa da Cultura de Famalicão.

Programa (provisório)


09:30 - Sessão de abertura

09:45 às 12:30 - Curso de Protecção Individual no Combate a Incêndios Florestais

12:30 - Almoço

14:30 - “Staff-ride” (Visita de estudo ao local do acidente)

17:30 - Final das Jornadas


- A inscrição custa 15 euros (até ao dia 6 de Julho de 2010), com direito a refeições e entrada gratuita nas actividades, por pessoa, sendo que crianças com menos de 15 anos, que acompanhem os pais, não pagam.


- O programa será actualizado brevemente com os nomes dos formadores e respectivas lições.


- Aconselham-se os participantes que pertençam a corporações de bombeiros a utilizar a farda de trabalho e os restantes participantes a trazerem roupas adequadas a caminhadas.


- Aconselha-se a deslocação dos participantes em viaturas TT, sendo que quem não as possui não fica impedido de participar.


- A inscrição ficará confirmada após a confirmação da transferência bancária para a conta da organização. O comprovativo de transferência bancária deverá ser depois digitalizado e enviado para o e-mail fornecido pela organização. Ao optar pela inscrição a partir do dia 7 de Julho, o preço da inscrição será de 25 euros.


- Demais indicações serão fornecidas pela organização após o efectuar da inscrição no portal bombeiros.pt .

segunda-feira, junho 21, 2010

Ainda se lembra?



10 de Julho de 2010 venha aprender connosco!

IV Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão da Serra - Guarda

(inscrições em breve no Portal Bombeiros.pt)

quinta-feira, junho 17, 2010

Lançamento - IV Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão da Serra (Guarda)


É já no próximo dia 10 de Julho de 2010. O programa definitivo estará dentro em breve disponível no Portal Bombeiros.pt , assim como o formulário para efectuarem a inscrição.

(O cartaz da Jornada é, este ano, da autoria de Rafael Ferrão, um jovem bombeiro da Corporação de Manteigas. O cartaz ainda está inacabado.)

quarta-feira, junho 16, 2010

Para uns pequenos aprendizes

1. O Adeus é uma palavra que contém múltiplas acepções e diferentes sentidos na constante vivência do ser humano. Por isso, dizê-la é, de alguma forma, construir um horizonte dúbio e difícil de entender. Mesmo assim, há horizontes longínquos onde os ramos de pequenas árvores se tocam e se entrelaçam. Não somos, nós, árvores desconhecidas ou de origens diversas mas, sim, pequenos entes que coexistem numa ampla floresta de emoções vestida. Esta floresta encontra-se sempre em perigo e, por vezes, é vítima de descuidados anseios que a perturbam e a deixam reduzida a cinzas. Aqui chega um Adeus! Permitido pela incúria de uns e pelo desejo de outros. Nós somos as árvores, nós somos os seres que vão ser estilhaçados e transformados nessa cinza que é descrita com um Adeus sentido. Apesar disto, existe, sempre, um amanhã glorioso e brilhante que, a nós, nos espera e nos ilumina na sombra de um Adeus. Amanhã!

2. A metáfora é longa e pode ser triste, mas é nela que nos encontrámos e que nos serve agora de doce recordação. Tudo aquilo que deixamos são comparações, paralelismos, hipérboles, sinestesias, muita ironia e imensas interrogações retóricas. Valeu a pena? Para o eu, que sou, fui e serei eu, toda a metáfora valeu a pena e, qual Fénix, voltará, um dia, a valer. Amanhã!

3. Para vós… Amanhã! Não é um Adeus, mas sim um “Até outro dia!”.

Guarda, 16 de Junho de 2010

Deste vosso, incorrigível, agitador e amigo,
Daniel António Neto Rocha

quinta-feira, junho 10, 2010

10. Crónica Altitude – Crónica a uma vida crónica ou Crónica Educação

1. Todos os santos dias existe algo de crónico que nos atinge e nos deixa completamente rendidos às evidências físicas e metafísicas da compulsiva estupidificação social. O problema não é pequeno nem se resolve com uma dúzia de antibióticos enfiados pela goela abaixo. Bem pelo contrário! De certa forma, a doença é incurável e persegue-nos desde a criação do Berço de Portugal. Desde sempre o povo foi desconsiderado e reduzido àquele fiel servidor que respeita o pagamento da dízima ou do imposto, que sempre foram impostos, e que assume “as palas” com que deve sempre olhar em frente. Caso estas fossem uma imposição que resultasse numa melhoria das condições de vida, ainda se suportavam com algum desdém; agora, sendo uma imposição que agrava cada vez mais as ilustres condições de miséria do “Zé Povinho” e engorda as cada vez maiores barrigas burguesas, parece-me que “as palas” só servirão para enobrecer o acto do rebaixamento popular.

(...)

Guarda, 8 de Junho de 2010
Daniel António Neto Rocha

(Crónica Radiofónica - Rádio Altitude, no dia 9 de Junho de 2010 - disponível em podcast em Rádio Altitude)

quarta-feira, junho 02, 2010

Pensalamentos #3

Cultivo nabos por desprazer, consciente de que no futuro não terão substância!