Mostrar mensagens com a etiqueta emprestado. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta emprestado. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, outubro 28, 2014

Pensalamentos emprestados #19 - crime, assumem eles


"a simples existência de certos homens é já um crime"


(personagem Beresford, em Felizmente há luar!, de Luís Sttau Monteiro)


Por vezes tenho a sensação de ser sobre mim, esta fala!

terça-feira, fevereiro 18, 2014

Pensalamentos Emprestados #17 - Este é o tempo


Este é o tempo
Da selva mais obscura

Até o ar azul se tornou grades
E a luz do sol se tornou impura

Esta é a noite
Densa de chacais
Pesada de amargura

Este é o tempo em que os homens renunciam.


(Sophia de Mello Breyner Andresen)

quinta-feira, novembro 07, 2013

Pensalamentos emprestados #16

"Portugal expia, com a amargura deste momento de humilhação e ansiedade, 40 anos de egoísmo, de imprevidência e de relaxamento dos costumes políticos – 40 anos de paz profunda, que uma sorte raríssima nos concedeu e que só soubemos malbaratar na intriga, na vaidade, no gozo material, em vez de os aproveitarmos no trabalho, na reforma das instituições e no progresso das ideias."

Antero de Quental, em 1890

sábado, outubro 19, 2013

Pensalamentos Emprestados #14

(...)
- O senhor não professa nenhuma ideologia?
- Sim, considero-me de esquerda, mas insisto em pensar livremente e em não ser correia de transmissão de ninguém, o que me torna uma pessoa pouco digna de confiança.
- Não julgue que em Itália as coisas são muito diferentes... Se estivesse no seu lugar, tentaria escrever sobre outras matérias que não a política.
- É precisamente isso que estou a fazer. O problema é que já ganhei a fama de rebelde e não confiam em mim nem sequer para escrever recensões culturais.
- De facto, as coisas não lhe correm muito bem.
- É como vê.
(...)

(Julia Navarro, Diz-me quem sou)

segunda-feira, outubro 07, 2013

Pensalamentos Emprestados #13

"Só digo que as pessoas tornam a vida muito pior do que tem que ser e, acreditem, já é um pesadelo sem a ajuda delas. Mas no conjunto, lamento dizer, somos uma espécie falhada."

(Boris Yellnikoff, personagem de "Whatever Works", Woody Allen)

sábado, setembro 07, 2013

Pensalamentos emprestados #12

"Há algo de atraente num homem sensível à agonia da existência."

(personagem Mónica, em "Para Roma com Amor" de Woody Allen) 

sábado, janeiro 05, 2013

Pensalamentos emprestados #11


"Assim vamos teimando, proas contra a corrente, incessantemente cortando as águas, a caminho do passado que não volta."


(O Grande Gatsby, Francis Scott Fitzgerald)

sábado, junho 02, 2012

Pensalamentos Emprestados #9

"Já nada nos pertence,
nem a nossa miséria.
O que vos deixaremos
a vós o roubaremos."


(Manuel António Pina)

terça-feira, março 27, 2012

Pensalamentos Emprestados #8

"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço."


(Álvaro de Campos)

sexta-feira, fevereiro 17, 2012

Pensalamentos Emprestados #7

"Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade."


(Fernando Pessoa, Mensagem, 1.ª estrofe do poema "Prece")

terça-feira, novembro 15, 2011

Pensalamentos Emprestados #6

"No entanto, Tomás tinha noção de que havia situações em que a crença sem dados suficientes era inevitável. Na amizade, por exemplo. Para se ser amigo de uma pessoa é preciso acreditar nela, crer que ela é digna de confiança. Claro que essa fé se revela muitas vezes infundada. (...)
Mas qual a alternativa? Não deveria acreditar em ninguém até ter informação suficiente para estar certo que essa pessoa era digna de confiança? Então como faria amizades? Iria submeter cada amigo potencial a um rigoroso inquérito prévio? Apresentar-lhe-ia um questionário para preencher? Iria investigar toda a sua história em pormenor? Isso não fazia sentido! Havia situações na vida em que era preciso acreditar sem informação suficiente. A informação viria depois, claro. (...) As informações posteriores confirmariam que essa crença tinha fundamento. Mas o primeiro passo era sempre a crença. Ou, para usar outra palavra, a fé."


(José Rodrigues dos Santos, O Último Segredo)


O novo romance histórico-policial de José Rodrigues dos Santos é um manancial de informação bíblica e de discussão teológica. Importou-me, para este Pensalamento Emprestado, a reflexão final do personagem principal (uma espécie de Indiana Jones) sobre a confiança que concedemos àqueles que temos como amigos. Tomás de Noronha, fazendo um paralelo com a crença religiosa, questiona a forma como nos relacionamos com os outros, nossos supostos amigos, sem termos qualquer tipo de certeza que a nossa intenção e a deles é a mesma. A conclusão é simples e a sabedoria popular já lhe dá resposta há muito tempo: Só depois de aberta a melancia é que sabemos se é doce!

quarta-feira, novembro 02, 2011

Pensalamentos Emprestados #5


"Em Portugal não há (toda a gente sabe) corrupção nem desonestidade. (...) E tanto que o Governo acaba de extinguir, por decreto, a Alta Autoridade contra a Corrupção."


(Manuel António Pina, "O método português", 9-9-1992)


Em 1992, o Governo acabou por dar uma Via Verde para o saque do Estado por parte dos espertalhões que hoje vivem com reformas milionárias e com mais valias adquiridas enquanto cometiam esse mesmo saque. Manuel António Pina, na crónica intitulada: "O método português", dava conta disso. Ao que parece o Jardim, cheio de encantos na Madeira, já era um autêntico pirata das contas públicas e tinha uma Assembleia Regional que o acompanhava. Daí que estava em vias de haver uma condenação. Mas do continente o novel Governo, empossado a 31 de Outubro do ano transacto, decide resolver os problemas de corrupção do país e tudo termina como ainda hoje são resolvidos os problemas da Madeira. Não sabem como? O senhor Governador diz: "O Tribunal de Contas agora vai ter que meter a viola no saco!"
Crónica de Manuel António Pina a reler hoje quando o tema da corrupção de anteriores governantes deste país pode vir a ter direito a uma nova e necessária amnistia governamental!


quarta-feira, setembro 14, 2011

Pensalamentos Emprestados #4

"Desgraçadamente a vida partidária em Portugal gira ainda em volta da educação monárquica. Quem dentro dos partidos quiser servir ideais, obriga-se principalmente a servir os homens."

Jaime Cortesão, Memórias da Grande Guerra


Não recebo muitas ofertas de livros pelo correio (mas gostava!), mas não deve ser só por eu ter mau feitio. Talvez as pessoas não soubessem deste meu gosto.

Esta citação retirei-a de uma separata que me foi enviada por um amigo, que é um excelente investigador. É uma separata de um artigo que vem na revista Biblos, número VIII (2010), dedicada à República. Chama-se "Jaime Cortesão: o escritor combatente na I Guerra Mundial" e foi escrito pelo Professor Jorge Pais de Sousa. Se puderem, leiam!

sexta-feira, junho 17, 2011

Pensalamentos emprestados #3


"O Professor é muito exigente nas aulas!"


P.S. - Pequeno comentário que funciona como interrogação a quem cair aqui em leitura: Não é essa a minha/ nossa função?

segunda-feira, maio 09, 2011

Pensalamentos emprestados #2


É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir!

(José Gomes Ferreira, As Aventuras de João Sem Medo)

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Pensalamentos emprestados #1

"Não mais, Musa, não mais, que a Lira tenho
Destemperada e a voz enrouquecida,
E não do canto, mas de ver que venho
Cantar a gente surda e endurecida.
"


(Luís de Camões, "Os Lusíadas", Canto X, estância 145, versos 1 a 4)