terça-feira, novembro 15, 2011

Pensalamentos Emprestados #6

"No entanto, Tomás tinha noção de que havia situações em que a crença sem dados suficientes era inevitável. Na amizade, por exemplo. Para se ser amigo de uma pessoa é preciso acreditar nela, crer que ela é digna de confiança. Claro que essa fé se revela muitas vezes infundada. (...)
Mas qual a alternativa? Não deveria acreditar em ninguém até ter informação suficiente para estar certo que essa pessoa era digna de confiança? Então como faria amizades? Iria submeter cada amigo potencial a um rigoroso inquérito prévio? Apresentar-lhe-ia um questionário para preencher? Iria investigar toda a sua história em pormenor? Isso não fazia sentido! Havia situações na vida em que era preciso acreditar sem informação suficiente. A informação viria depois, claro. (...) As informações posteriores confirmariam que essa crença tinha fundamento. Mas o primeiro passo era sempre a crença. Ou, para usar outra palavra, a fé."


(José Rodrigues dos Santos, O Último Segredo)


O novo romance histórico-policial de José Rodrigues dos Santos é um manancial de informação bíblica e de discussão teológica. Importou-me, para este Pensalamento Emprestado, a reflexão final do personagem principal (uma espécie de Indiana Jones) sobre a confiança que concedemos àqueles que temos como amigos. Tomás de Noronha, fazendo um paralelo com a crença religiosa, questiona a forma como nos relacionamos com os outros, nossos supostos amigos, sem termos qualquer tipo de certeza que a nossa intenção e a deles é a mesma. A conclusão é simples e a sabedoria popular já lhe dá resposta há muito tempo: Só depois de aberta a melancia é que sabemos se é doce!

Enviar um comentário