segunda-feira, setembro 30, 2013

Acordos na Guarda? #17 - notas finais sobre a eleição

"Sem espinhas!" É esta a expressão que me apraz lembrar como pequeno comentário inicial ao resultado, para mim surpreendente, mas nada inesperado, das eleições para a Câmara Municipal da Guarda. Penso que as leituras que possam fazer a crónicas, que apresentei na Rádio Altitude e que aqui publiquei, às quais chamei de "Crónica dos caminhos para as autárquicas 2013", em três partes ( parte 1, parte 2, parte 3 ), podem ajudar a perceber esta minha introdução.
Ao longo destes meses houve uma clara e preocupante (para quem olha para um partido enquanto unidade de valores e ideologias) desagregação do Partido Socialista guardense. Nas crónicas e comentários que fui fazendo neste blogue apresentei algumas das razões que eu penso que podem explicar essa desagregação, mas a principal (ou única) será a desintegração da malha de interesses (o que é bem visível no ódio que alguns "notáveis" assumiram contra o partido que lhes deu nome) pessoais. E aqui vejo eu uma vitória (pequena, é um facto) para o PS que vier a surgir após esta queda: a limpeza está feita e não acredito que "estes arredios de agora" voltem, pois todos perceberíamos que seria a tentativa de voltar a montar a "tenda". Por isso, esta derrota pode fazer bem ao PS.  
Pena que o Mário Martins tenha sido apanhado nesta conjuntura política desfavorável, pois poderia ter sido um elemento de valor acrescentado para um executivo que tem de fazer na Guarda uma espécie de reorganização de muitos dos sectores estratégicos.
O vencedor Álvaro Amaro... pois bem, apetece-me citar-me "(...) Amaro é o representante quase profissional da mudança, só não sei se positiva se negativa, pois são estranhos os interesses guardenses na defesa de uma iniciativa, mas como última etapa da vida política quererá ele construir em vez de destruir, e isto pode ser importante para a definição de uma política e para a decisão do eleitorado." E estou certo que ele irá empurrar as coisas para que sejam positivas.  Acredito que as rendas e dádivas que eram oferecidas a muitos quintais da cidade vão terminar. E, sim, a sua equipa terá de se adaptar a uma situação nova e complicada, pois vícios e manias implementados são factores que emperram qualquer ideia. Mas, faz bem a mudança! Novas ideias, novas formas de actuar e um novo dinamismo que, seguramente, irá substituir o "piloto-automático" que já não era capaz de inovar.
Enfim, eu fiquei, volto a dizê-lo, muito surpreendido com esta vitória estrondosa e sei que Álvaro vem para a Guarda com uma confiança eleitoral que nem ele deveria ter julgado possível. O que só lhe vem trazer um acréscimo de responsabilidade, pois as pessoas/eleitores parecem acreditar que ele pode, ainda, salvar (não sei se é um termo demasiado exagerado) um concelho e liderar um distrito, dando-lhe todas as armas para o fazer.
Recomendação humilde aos vencedores, se me é permitido fazê-lo: não se acabe com o que está bem feito e bem dirigido, em termos camarários, para enveredar numa qualquer aventura imprevisível.

sábado, setembro 28, 2013

Pensalamentos #124

escolha
criteriosa 
entre o vazio
e o inexistente

Acordos na Guarda? #16 - nota quase final (actualizado)

Há, nestas eleições na cidade da Guarda, alguns factos curiosos que não foram referidos ou, se o foram, devem ter sido ditos baixinho não fosse o diabo tecê-las. 
Um desses factos é o caso da participação massiva de independentes nestas eleições, alguns dos quais foram desenterrados propositadamente para estas eleições e outros entenderam ser a altura certa para se declararem, fervorosamente, à virgem não partidária. Dentro destes, há o caso daqueles que desde sempre ligados aos partidos tiveram alguma participação no debate público, expondo, no entanto, ideias dos partidos. Foi curioso ouvi-los e vê-los a dizerem quase a mesma coisa sobre os "outros" que, já não sendo os "outros" iniciais, passaram a ser os "outros" actuais e, possivelmente, não serão os "outros" futuros, pois os "outros" actuais podem bem vir a ser outra vez os "outros" iniciais. Mas... vejamos outros filmes! Depois destes há os que descobriram que existia participação pública e que era salutar a exposição pública das suas ideias com estas eleições. Pena que só o tenham feito com a pretensão de alcançar o "tacho" dourado que ferve as águas mornas da preguiça. Pena, também, que estes, agora, se sintam mal por ter terminado o debate público que iniciaram. Mas... e se, agora, começarem a trazer para a praça pública as ideias independentes que, ao que parece, tanta e tão fecunda discussão geraram? A opinião pública é um dever de todos os cidadãos, sim, mesmo sem estarmos em alturas de eleições, sabiam?
Um dos outros factos, e que me preocupa fortemente, é o pouco investimento político que se fez ao nível das listas naquela que todos os candidatos principais reconhecem ser uma das principais áreas de investimento concelhio (eu diria mesmo a mais importante!): a cultura! Observadas as listas dos dois principais candidatos (Amaro e Igreja) é curiosa a posição daquele que é o candidato a vereador mais relacionado com a cultura: quinto lugar! O Victor Amaral, o meu conterrâneo que me surpreendeu ao apresentar-se nestas eleições, surge num lugar que (dadas as sondagens) não lhe permitirá entrar na vereação. No lado do PS não consigo perceber (honestamente!) quem pode representar a cultura. Logo, parece-me que estamos muito mal, meus senhores, quando deixam de lado a área que representa o potencial diferenciador e enriquecedor que a Guarda adquiriu ao longo de vários anos. Mas... ainda temos o Mário Martins, da CDU, que pode ser a voz que traga essa marca.
Por fim, deixem-me dizer que estas são as eleições que apresentam mais candidatos dos quais não conhecemos uma qualquer ideia ou um qualquer assumir de opinião na praça pública (salvaguardando os cabeças de lista, claro!). Dado esse facto, é difícil perceber o que trarão à Guarda os novos protagonistas políticos.

P.S. - Continuo a pensar que a vitória, dadas as últimas ocorrências, será do PS com uma pequena vantagem sobre o PSD/CDS-PP (talvez a vantagem mais escassa de sempre). A CDU será, para mim, a força política que virá em terceiro lugar.  

P.S. 2 - Há muitas interpretações a fazer sobre este meu post e é por causa de uma dessas interpretações feita por um amigo (que me foi comunicada e com a qual concordo em parte) que quero aqui fazer uma pequena nota: não fiz aqui qualquer comentário sobre a importância cultural dos cabeças de lista, porque, na minha modesta opinião, não os vi como elementos que podem tomar para si a pasta da cultura. No entanto, concordei com a interpretação e, alargando o meu raciocínio aos cabeças de lista, é óbvio que o PS terá feito, através da experiência de Igreja como vereador da cultura de anteriores elencos camarários, um investimento forte (caso ele assuma mesmo a pasta da cultura) naquela que é a área principal para o desenvolvimento do concelho e da região. Sim, penso que este esclarecimento fica bem para que as ideias que vão sendo lidas não sejam mal entendidas!  

quinta-feira, setembro 26, 2013

O melhor desta campanha das autárquicas?

Acaba a festa no Domingo e começam as lambidelas desenfreadas na Segunda-feira! Vai uma aposta?

terça-feira, setembro 24, 2013

Hospital privado ajuda bombeiros!

A resposta foi rápida e meritória. 

IdealMed Unidade Hospitalar de Coimbra Boa tarde Daniel António Neto Rocha, o post continua visível na nossa página, publicado no dia 31 de Agosto. A cronologia do Facebook por vezes não permite visualizar imediatamente todos os posts, mas se pesquisar o mês de Agosto, o referido post surge, da mesma forma que foi publicado. A mensagem da IDEALMED mantém-se, tal como anunciado nesse mesmo post. Obrigado

Fui procurar e aqui está

O meu agradecimento e o meu pedido de desculpa por ter, em parte, julgado mal a empresa hospitalar!

Hospital privado ajudava bombeiros e agora já não?




É daquelas "coisas" que acontecem e que podem ser ou não verdade. No passado dia 31 de Agosto um hospital privado, IdealMed Unidade Hospitalar de Coimbra, lançou uma campanha onde, palavras deles:

"Numa iniciativa de solidariedade para com os Soldados da Paz, a IDEALMED irá entregar cinco cêntimos por cada novo like na nossa página de Facebook. A IDEALMED acresce à presente Campanha a oferta de todos os serviços de saúde necessários à recuperação de bombeiros feridos em serviço."

Curiosamente, hoje voltei à página do facebook deste hospital, onde foi feito este anúncio, e já não encontrei nada! Então fiz uma pesquisa e encontrei (valha-nos esta internet que tudo guarda) este sítio que me provou que eu não estava maluco e em que alguém responsável responde a alguém com estas palavras:

[IdealMed Unidade Hospitalar de Coimbra] - Boa tarde P F C. Convidamo-lo a ver posts anteriores onde evidenciamos todo o nosso compromisso com diferentes causas sociais. A Idealmed considera sua obrigação a participação civica em diferentes iniciativas, sendo justa toda e qualquer ajuda que possamos aportar aos nossos Soldados da Paz. Assumimos publicamente a oferta dos tratamentos necessários à recuperação dos Bombeiros feridos, bem como a ajuda financeira como contributo para a melhoria possivel das condições de trabalho. Acreditamos que Todos juntos poderemos fazer a diferença, ajudando de forma genuina quem necessita, aproveitando para convidar todas as outras instituições, publicas e privadas, a fazerem o mesmo. Obrigado.

Não quero fazer más interpretações, mas espero, sinceramente, que esta empresa não tenha voltado com a palavra atrás. Já fiz um pedido de esclarecimento na página e darei eco dele. Mas vou ficar muito atento e, caso seja necessário, farei com que esta possível mentira chegue ao sítio certo!
Peço-vos também que estejam atentos a este caso.

Repentes #36 - a humanidade portuguesa

Bem sei que muitas das acções são pequenas gotas de água num oceano de necessidades por parte de quem, de facto, fica dependente de algo, mas é de louvar os movimentos de apoio a quem de um momento para o outro ficou em dificuldades. Daí que fico muito esperançoso num futuro melhor quando vejo que nos homens e mulheres comuns de Portugal existe um espírito de humanidade que os leva a ajudar o outro. Neste caso, é muito bom reparar nos movimentos espontâneos que vão surgindo e que pretendem de forma desinteressada ajudar bombeiros que ficaram feridos durante os vários combates a incêndios. É um gesto que não tem valor, pois é superior e extremamente digno! Gosto muito de ver que há gente preocupada com quem trabalha para defender as pessoas de perigos extremos e que durante o ano se preocupa sempre com a defesa e o socorro de quem precisa! Da minha parte, um grande obrigado a todos!

Acordos na Guarda? #15 - ainda o sentido independente

Nunca ouvi as palavras "independente" e "independência" tão mal aplicadas e utilizadas como nos dias de hoje. Talvez o pessoal que as tem usado pense que significam aquilo que o 25 de Abril nos trouxe e que nem é preciso consultar o dicionário. Mas, num país que tem Alberto João Jardim como paladino dos valores de Abril (como há alguns dias se atreveu a anunciar aos berros em mais um dos momentos "zen" madeirenses), nem a semântica se safa de ser enxovalhada em praça pública.
E não é que uma leitura por alguns sítios que fazem questão de se dizerem independentes prova que de independência só devem ter o servidor onde têm alojado o blogue? É que é fácil, e em tempo "record", ganhar "clientes" num blogue que destila veneno e que foi criado com o propósito de esconder quem por lá escreve, mas a política na Guarda já merecia que todos nós, que a comentamos (mal ou bem), mostrássemos a cara e obrigássemos todos os outros que comentam a fazer o mesmo. Bem sei que isso afasta as multidões, mas eleva a discussão. E é isso que todos queremos!

segunda-feira, setembro 23, 2013

Guarda, na 6.ª: cidadãos com nome à mesa do "Café Mondego"


Gostei muito de estar sentado com estes dois homens da Guarda numa sessão que foi plena de cidadania. Sim, porque a cidadania não é só para eleger gentes e para apregoar como se de um rega-bofe se trate. A cidadania é usar da palavra para participar activamente todos os dias do ano. E esta foto representa um pouco da cidadania que o Américo praticou durante sete anos. A foto é da Élia Fernandes e ilustra o momento em que o professor Mota da Romana fazia a apresentação do conteúdo deste "Café Mondego: uma antologia". 
Convido-vos a ler e a dizerem de vossa justiça se este livro de Américo Rodrigues não é um excelente projecto de cidade para qualquer ponto do país? Sim, com as devidas adaptações, pois o património não é transferível. Mas leiam e vejam como pelo interior do país há gente com uma capacidade de pensar o futuro de forma sustentada e com a cultura como parceiro preferencial. Para além disso, como se fosse já pouco, terão também acesso a literatura de qualidade.
A sessão foi concorrida e gostei de ver pessoas de vários quadrantes a assistir, pois isso só veio dar mais sentido à palavra cidadania.

A força dos homens (2)

Já temos, afinal, dois dos nossos mais perto de casa. Ainda não tinha esta boa notícia, mas fui informado dela pouco tempo depois do post anterior. Espero voltar a ser surpreendido desta forma nos próximos tempos!
Estamos todos por aqui a esperar o seu regresso a casa!

A força dos homens

Há muitos momentos de dúvida entre nós, mas sabemos também que, passo a passo, a força que manda reunir os homens em torno da sua casa é grande. Um deles já se aproximou de nós - o que é uma boa notícia -, agora esperamos ansiosamente que os restantes venham também bem e com a mesma força e brilho nos olhos. 
Estamos por aqui a esperar pelo seu regresso!

quinta-feira, setembro 19, 2013

Pensalamentos #122

enegrecer
noite dentro
em paz com o incerto

Guarda: "Café Mondego" na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço


É já amanhã que o "Café Mondego" vai abrir as suas páginas. Depois de ser um local de conversas e de copos, passou para o mundo digital como um dos blogues mais lidos e tem agora a sua realização enquanto livro. Américo Rodrigues escreveu milhares de textos durante cerca de 7 anos e vai agora apresentar uma selecção, feita por mim, desses seus textos. O que nos revela este "novo" "Café Mondego"? Amanhã todos ficarão a saber.


Dia 20 de Setembro
18 horas
Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço
Lançamento de “Café Mondego: uma antologia” de Américo Rodrigues
Apresentação por José Manuel Mota da Romana
Leituras por Vasco Queiroz e Antónia Terrinha

Organização: Bosq-íman:os
 

quarta-feira, setembro 18, 2013

Acordos na Guarda? #14 - um pouco de carma constitucional? (corrigido)

Sim, o karma inglês tem um correspondente na língua portuguesa - carma. E é esta palavra que eu vejo como transportadora de sentido nestas eleições. Talvez a intenção fosse boa e pudesse estar cheia de boas vontades, mas a forma, senhores, e o ardor como alguns tentam impor a sua "mão de ferro" por vezes falha e, como diz a história do lobo com pele de cordeiro, no fim acaba tudo por redundar num fim com contornos trágicos mas, na minha opinião, algo justo. 
Agora, Igreja, Amaro, Martins, Loureiro ou Espírito Santo? Continuo a dizer que a dois (laranja e rosa) o rosa tem mais encanto e permite que a mole familiar da cidade não se perca. Daí que os seres independentes com cartão rosa (parece que há gente que se rebelou contra o partido mas continua a pensar que pertence àqueles contra os quais se rebelou) não vão perder a hipótese de conseguir começar por eventuais migalhas e passar depois ao naco mais suculento. Já Amaro terá perdido, na minha opinião, a hipótese de ganhar a Câmara, pois é, numa escala de simpatia sombria, o tipo mais odiado e, ao que sei, terá uns conselheiros que tratarão de lhe provocar a queda (lembremo-nos de Viriato e de César!). 
Voto útil? Talvez em Martins, o independente que sobra e que encabeça a lista do PCP. Será, a ser eleito como vereador, uma voz construtiva e preocupada com o futuro sustentável do concelho, sendo, no entanto, um incómodo para alguns bem assentes da cidade. Loureiro poderá beneficiar de alguns votos, mas terá de se contentar com alguns lugares na Assembleia. Espírito Santo igual.

Lições a retirar: em todos os processos e grupos é tão importante o líder como a equipa ou equipas que o rodeiam, logo as pancadinhas nas costas não servem para nada se não houver um verdadeiro e rigoroso trabalho em todas as vertentes (até nas que parecem mais simples!).


Nota: Não foi por mal que errei no nome de Espírito Santo. Obrigado a quem me alertou! 

Um Projecto apresenta-se e pede um pouco de vós




O Projecto Sérgio Rocha foi convidado para se apresentar na recente homenagem que a RTP fez aos bombeiros portugueses. A Marta e eu estivemos em Lisboa em representação do Projecto e em representação dos nossos amigos que continuam hospitalizados. Mais do que dar-vos a conhecer um pouco mais do Projecto (vejam a partir das 2h04m35s), a quem o não conhece, peço-vos, mais uma vez, que reforcem as orações pelos nossos homens. Eles precisam de toda a nossa força e fé.

sábado, setembro 14, 2013

Aos nossos homens

Estamos ainda no início do caminho onde a escuridão nos obrigou a entrar. As nossas esperanças e a nossa fé são fortes, tal como vós estais a provar ser. Não temos qualquer dúvida da força que vós, nessa vossa difícil batalha, estais a ter para voltar a estas vossas casas que vos esperam ansiosas. E, sim, como dizia há dias a Jéssica, ninguém disse que ia ser fácil, mas eu atrevo-me a dizer que também não merecíamos que fosse tão difícil. Enfim... a vida só é difícil para aqueles que têm a capacidade de se superarem a todo o instante e para aqueles que fazem a diferença no coração dos que os rodeiam. É por isso que vos escrevo este pequeno desabafo. O amanhã que aqui vos espera está cheio de incertezas e nós também não temos certezas. Ou melhor, temos a certeza de vos querer aqui, em casa, junto de nós e a sorrir. Quanto ao resto, os novos caminhos ou a continuação de velhos caminhos, não interessam para agora. Queremos que regressem a casa, que cumpram a missão e que voltem para a finalizarem. Nós estamos ansiosos por vos ter de volta e todos os dias queremos que as notícias cheguem. Não de forma rápida, mas de forma segura e com as vossas melhorias. Vós tendes força e nós sabemos isso. Nós faremos tudo por vós! Contai com isso! Força, malta! Força, Valter! Força, Ti Albano! Força, Quim! Força, meu jovem Filipe! É para estes momentos difíceis que são feitos os grandes homens. E vós sois grandes homens!

quarta-feira, setembro 11, 2013

Precisam de ajuda?


Sim, precisam de ajuda para questões relacionadas com textos? 


O nome «ESCRITOR "FREELANCER"» parece apontar unicamente para a realização de trabalhos de "grande envergadura", por exemplo a escrita de livros. Mas não é só isso que faço. Aliás, essa visão deste trabalho é, talvez, a que terá menor atenção. 



Segue uma listagem com trabalhos tipo que posso fazer: 

- textos curtos, médios ou longos (para os mais diversos fins, basta dizerem); 

- textos artísticos (visando a ligação ao design); 

- escrita de slogan e textos argumentativos que o acompanhem; 

- correcção de textos; 

- trabalho de edição; 

- outros pedidos. 





Todas as questões (perguntas sobre os tipos de texto a trabalhar e pedidos de orçamento) deverão ser enviadas para danielroc@gmail.com





(Atenção: 

Haverá o máximo sigilo no tratamento de quaisquer textos ou questões, nunca se revelando qualquer contacto existente.)

Momentos em imagem #18 - 12 anos


Temos muito para aprender. Há 12 anos um ataque terrorista (tenha lá sido o autor o que foi acusado ou outro que continua impune e sorridente) acordou a América e os noticiários por todo o mundo. Hoje, 12 anos passados, continuam a olhar para trás e a tirar ensinamentos desta tragédia, honrando, de forma honesta, a memória dos que ali perderam a vida.
Não é tempo de se aprender com os erros também em Portugal?

terça-feira, setembro 10, 2013

Pensalamentos #121 - ácido

reparar
de forma una e concreta
que o mal do mundo
e das pessoas
não é que lhe dêem a mão
mas, sim, que 
lhe não ofereçam 
dinheiros 

Li: Acidente Poético Fatal, de Américo Rodrigues

É já um texto antigo, ou melhor, um texto com cerca de um ano, mas com o fim do blogue "Café Mondego" ficou escondido nas páginas da revista cultural Praça Velha, n.º 31. Com a aproximação do lançamento do novo livro do Américo Rodrigues, decidi resgatar esta minha recensão para o formato digital. Esta que lêem é a versão alargada da recensão que podem ler na já citada edição da revista guardense.



A “palavra essencial” esquecida: acidente poético fatal, de Américo Rodrigues

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos
frente ao precipício
e cair verticalmente no vício 
(Mário Cesariny)

Do autor, Américo Rodrigues (n. 1961), não haverá pouco a dizer. É um nome incontornável da história cultural recente (dos anos 80 à actualidade) da cidade da Guarda e será uma referência nacional da literatura e das artes em geral. Podemos chamar-lhe poeta, actor, dramaturgo, encenador, cronista ou, na nossa opinião, performer. Todos estes nomes lhe estão ligados umbilicalmente e todos lhe assentam na perfeição, basta observar com atenção a sua longa produção artística. O seu trajecto enquanto poeta é já longo e a sua lista de publicações é extensa - Na nuca (1982), Lá fora: o segredo (1986), A estreia de outro gesto (1989), Património de afectos (1995), Vir ao nascedoiro e outras histórias (1996), Instante exacto (1997), Despertar do funâmbulo (2000), O mundo dos outros (2000), Até o anjo é da Guarda (2000), Panfleto contra a Guarda (2002), Uma pedra na mão (2002), Obra  completa – revista e aumentada (2002), O mal – a incrível estória do homem-macaco-português (2003), A tremenda importância do kazoo na evolução da consciência humana (2003), Escatologia (2003), Os nomes da terra (2003), A fábrica de sais de rádio do Barracão (2005), Aorta Tocante (2005), O céu da boca (2008), Escrevo-Risco (2009) e Cicatriz:ando (2009) -, compreendendo obras que vão do “vulgar” livro até aos objectos poéticos nas suas mais diversas realizações.
Das influências do autor saberemos um pouco mais conforme o conhecimento que tivermos das suas próprias produções. Se atentarmos neste seu percurso artístico e poético, verificamos que recebe várias influências teatrais e performativas, nomeadamente no que diz respeito ao trabalho experimental com a voz ao nível do teatro (é importante destacar o estágio que efectuou com Catherine Dasté, em Paris, no ano de 1979). Este trabalho com a voz é completamente inovador no Portugal dos anos 80 e dá-lhe, desde aí até hoje, o estatuto de único poeta sonoro português e um dos principais elementos do movimento poético experimental dos últimos trinta anos. Mas interessa pressentir não só as influências experimentais. Também ao nível das influências poéticas mais formais, a sua capacidade de absorção rege-se pelo caminho mais marginal (em jeito de confissão, diz o autor que a “culpa” foi de um bibliotecário que trabalhava na antiga biblioteca itinerante – a mítica carrinha vermelha da Gulbenkian – que lhe aconselhava sempre a leitura de poetas como Herberto Helder, Mário Cesariny, Ramos Rosa, entre outros). A sua poesia não segue a lógica dos poetas presencistas ou neo-realistas, apesar de, em alguns momentos deste livro que analisamos, se pressentirem algumas dessas temáticas relacionadas com a denúncia do autoritarismo e da injustiça social (no que ao neo-realismo diz respeito), e duma presença constante do traço original (tão querido aos presencistas). É, sim, uma poesia de influência surrealista, mergulhada na ideia que é lançada por Mário Cesariny no artigo “Mensagem e ilusão do acontecimento surrealista”, inscrito no n.º 1 da Revista Pirâmide: “Também porque o surrealismo se inscreve numa zona de conhecimento que mesmo nos pontos globais do seu percurso (…) será sempre parcela e nunca soma, pois das muitas coisas com que tem a ver tem a ver sobretudo com o amor do futuro, é prova de inquirição que cabe a cada homem para continuação de novo homem que vem.” Mas nem só de surrealismo se reveste, pois o espírito do movimento Dada (consubstanciado no espírito reaccionário perante injustiças sociais protagonizadas pela sociedade burguesa e pelo seu sistema racional) está presente como o “ruído” incómodo que a sua poesia cria à sociedade que se rege pela criação de um status quo que quer permanecer intocável. Estas, últimas, serão as duas principais influências de Américo Rodrigues ao nível da poesia.
Algumas questões já começaram a ser afloradas nas linhas anteriores, sendo que este acidente poético fatal retoma algumas das influências já referidas, mas (e lá vem o cunho de originalidade que “herdou”, talvez, de Almada Negreiros) não é só isso. Em acidente poético fatal, Américo Rodrigues apresenta aquilo a que poderemos chamar poesia performativa, sabendo nós de antemão que é um termo vago e, possivelmente, impreciso ao nível da tão necessária objectividade da crítica de teor académico. Voltaremos a ele no final. O título é sugestivo e aposta desde logo num recurso de enriquecimento textual – a adjectivação – que cria na expressão uma curiosa relação de dependência entre o adjectivo “poético” e o nome “acidente” que pode desde logo ser lido pelo absurdo criativo que proporciona. Como sabemos, no campo da poesia não existem acidentes fatais. Pode haver imprecisões, más escolhas, maus poemas, maus autores ou más críticas, mas nunca se revelam fatais (no sentido ontogénico do termo). Logo, a escolha deste título aposta na conjugação da estranheza e da sua utilidade para a criação de universos simbólicos e esteticamente ricos, e revela-se tremendamente certeira. Já ao nível das relações gramaticais entre os vários constituintes do título, a escolha foi ainda mais acertada. Se tentarmos encontrar uma tabela que analise a importância das três palavras na expressão que se constitui como título, poderíamos considerar que o centro do grupo nominal de que a expressão se reveste é, de facto, um adjectivo. Isto, como sabemos, é um erro ao nível da análise gramatical. Pensamos que Américo Rodrigues teve consciência disso no poema que empresta o título ao livro (pág. 48):

Declaração   
Para os devidos
efeitos
(e feitos)
declaro que em caso
de acidente poético fatal
deixo
dou
doo
(…)

Como se percebe, através da leitura atenta de todo o poema, o poeta dá-nos a impressão de estar a comunicar os seus últimos desejos testamentários, mas consciente de que o faz apenas com elementos não usuais no tipo de texto que normalmente serve de testamento. Ao nível da aproximação estética deste tipo de estratégia poética a outros poetas portugueses, sabemos que a poesia de Herberto Helder – curiosamente um dos agraciados com os bens testamentários – também opta por este jogo de intersecção de planos diferenciados, ou, na expressão de Maria Lúcia Dal Farra, pela opção dos “campos semânticos cruzados”. Convém referir-se que esta estratégia, colada a Herberto Helder, é utilizada desde o primeiro modernismo português (por exemplo, “Chuva oblíqua” de Fernando Pessoa) e por todos os poetas e demais artistas que usaram o surrealismo como ponto de origem da sua criação artística. Depois desta primeira incursão pelo texto, e usando-a ainda, pensamos que é importante referir e estar atento à forma como o poeta trata o tema da morte. Neste poema (“Declaração”) encontramos um testamento, que alude à organização do homem perante a inevitabilidade da morte. Noutros poemas a morte surge associada ao suicídio (“Os rapazes”, pág. 6), ao anúncio da morte ou da celebração dos mortos (“Os mortos”, pág. 10), aos epitáfios que hão-de encimar as pedras tumulares (“Epitáfios”, pág.s 13 e 14), e outros (principalmente em “Poeta Local” (pág. 17), “Sete telefonemas” (pág. 40) e “Casas” (pág. 57). Não pensemos no entanto que aqui a morte é vista de forma literal, esperando a existência de uma encenação romântica. A morte é antes um motivo de sarcasmo, de crítica ou de sátira, perante as motivações de escrita do poema. O grande tema deste acidente poético fatal, porém, é outro: o humor, por vezes negro, que passa pelo conjunto de poemas e que, de forma satírica ou sarcástica, aponta para a forma crítica como Américo Rodrigues olha o mundo que o rodeia. Como exemplo de crítica social e, também, moral, leia-se (pág. 23)

Projecto
Dão-me papas
Duas vezes por dia
Dão-me remédios
Todos os dias
(…)

Leiam-se ainda “Vêm” (pág. 12), “Ninho” (pág. 8), “A entrega” (pág. 18) e “Não Há” (pág. 54), entre outros. Podemos verificar que existe neste ponto a aproximação ao Cesariny da Nobilíssima Visão, onde o humor seco e crítico se expande de uma forma quase invisível (leia-se o poema “Pastelaria”). Numa característica que tem como compromisso o humor crítico, verificamos outra das estratégias que foi também cara aos surrealistas e que Américo Rodrigues utiliza de forma bastante acutilante: os animais (seres irracionais) como representação de uma realidade criticável e negativa (pág. 5):

O pequeno boi
O pequeno boi
cinzento
claro
ruminando.
(…)

A este nível, verificamos que existe uma correspondência de utilizações de figuras animalescas como forma de intensificar sentidos, regra geral pejorativos, com outro dos grandes autores portugueses que tiveram uma passagem pelo surrealismo: Alexandre O’Neill. Como exemplos da obra de O’Neill, leiam-se “Galo de Barcelos” e “Made in Portugal”. Na obra em análise, verifiquem-se também “Poemas da transumância” (pág. 42) e “Visita guiada” (pág. 27), onde a utilização dos animais como forma de crítica é efectuada de forma singular.
Poderíamos, ainda, aqui salientar um conjunto de estratégias que demonstram bem a grande riqueza e o enorme valor literário deste pequeno acidente poético fatal. No entanto, deixaremos apenas, visto que importa aguçar o apetite dos potenciais leitores e não impor uma leitura, algumas pistas de leitura que poderão ajudar à construção de horizontes significativos individuais. Atente-se então nas várias imagens visuais criadas com mestria, observem-se algumas construções e desconstruções de palavras que soam a música, oiçam-se alguns aspectos fónicos que lembram os trava-línguas, visualize-se a exploração da poesia experimental e compreenda-se a utilização do calão como catarse da emoção violenta (quase um grito dadaísta).
Existem ainda duas pequenas referências que fazem com que a este livro de Américo Rodrigues possa ser visto como uma obra universal: a primeira demonstra-nos essa validade universal da obra e a segunda dá a explicação do termo poesia performativa. Em primeiro lugar, Carl-Gustav Bjurström, tradutor de Lars Gustafsson para a língua francesa, no prefácio à obra A morte de um apicultor, destaca uma estratégia discursiva deste escritor sueco a que dá o nome de “trompe l’oeil”. Este termo, numa tradução muito livre e muito pouco literal, significa “engano consciente” e consiste na apresentação de elementos que são demasiado estranhos e acutilantes para não serem falsos. Pois bem, Américo Rodrigues utiliza, neste livro, esta estratégia de uma forma extremamente bem conseguida (pág. 16):     

Abadia
Na abadia franciscana de Monteveglio
Há um sistema inovador
(…)

Aqui, o “trompe l’oeil” surge nos versos “eu próprio pedi que Frei Giovanni della Annunziata/ ali me confessasse.” Estaria o poeta a tentar redimir-se da imagem ridícula que cola às vetustas catedrais católicas do poema “Ninho”, que parece estar colocado, de forma estratégica, três páginas atrás? A estranheza apodera-se de nós no verso referido, mas é resolvido logo nos versos que o procedem. Depois esclarece por completo a estranheza no poema “Atendimento automático” que não é mais do que uma brilhante resolução da questão com que o ser humano religioso se interroga sempre que é atingido por uma desgraça: mas onde é que estava deus? Desta forma, este “trompe l’oeil” vem adensar ainda mais a imagem iconoclasta deste sujeito poético, pois são utilizadas as instituições de toda a ordem como elementos humorísticos através da ironia e do sarcasmo. Em segundo lugar, e para elucidar a dúvida que nos acompanha desde o início, pensamos que este livro que Américo Rodrigues nos apresenta é um excelente exemplo da poesia performativa porque se situa no centro da viagem entre a poesia sonora e a poesia lírica (iniciada a chegada a esta poesia mais “literal” a partir da experiência poética que é a obra Cicatriz:ando), contendo em doses bem medidas o melhor das duas: a forma rítmica e musicada de uma, e o conteúdo simbólico da outra.     
            Por fim, convém salientar um “pequeno pormenor” que tem grande importância para o conjunto da obra de Américo Rodrigues. Esperava-se que o final do livro fosse muito corrosivo e de um humor tremendamente sarcástico, visto que por todo o livro é esse o ingrediente principal. No entanto, e de forma surpreendente, o poeta oferece-nos uma ponte de escape simbólica para uma poesia de temática mais intimista. Assim, guarda os poemas “Insónia” (pág. 58) e “Não me acordes” (pág. 59) para fazer uma transferência de planos entre este acidente poético fatal e a obra seguinte, que terá como pontos de partida o “sítio húmido/ da noite” e os “interstícios da pele”, ou seja, a “palavra essencial” recuperada.  

Guarda, 05 de Maio de 2012
Daniel António Neto Rocha

(Versão mais curta In: Revista Praça Velha n.º 31. – Guarda: NAC/ CMG, Junho de 2012. – p. 201 a 205.)

sábado, setembro 07, 2013

Pensalamentos emprestados #12

"Há algo de atraente num homem sensível à agonia da existência."

(personagem Mónica, em "Para Roma com Amor" de Woody Allen) 

sexta-feira, setembro 06, 2013

Promessa pelos nossos homens

Há sete anos que tenho tentado ajudar a evitar o que nos dias que correm parece ser assunto inevitável! Hoje, mais uma vez este ano, fui apanhado de surpresa e admito que chorei. Há coisas que trato como meros adereços que são. Mas a vida... essa não! E hoje mais famílias estão tristes e sem razão para continuarem a viver! Outras estão com o coração nas mãos, esperando que o futuro as ajude a trazer os seus para casa.
Eu fiz hoje uma promessa! Não a vou aqui partilhar, mas tem como pressuposto o regresso seguro de todos os meus amigos e camaradas a casa. 
No dia em que isso acontecer, levanto-me e ando. De um sítio até outro sem grandes pausas, tal como fazemos sempre que existe um incêndio para apagar. No dia em que possa cumprir esta promessa, direi do que se trata.  

Acordos na Guarda? #13 - o enigma

É uma das questões que a decisão do Constitucional traz para a baila no dia de hoje e que, tenho a certeza disto, poderá ser determinante no desfecho final das eleições de 29 de Setembro. Vamos por partes. O Tribunal Constitucional decidiu (na minha opinião mal, por motivos que envolvem, entre outros, o abuso daquilo a que nos negócios se chama de "posição dominante") que os autarcas de outros concelhos possam candidatar-se a concelhos vizinhos. Logo, Álvaro Amaro é, agora, um candidato legítimo e com legítimas ambições. Portanto, agora acaba-se este problema (pois neste momento já não há o problema da interpretação da lei que tanta e tanta tinta fez correr). 
Agora, o novo e esperado problema está em saber como é que o mesmo Tribunal vai resolver a questão das listas de "A Guarda Primeiro", pois poderá ser determinante para o desfecho final das eleições a possibilidade ou não de esta lista estar a votação. Passo a explicar ou a tentar fazer uma breve análise que poderá ser tudo menos acertada. Caso o tribunal permita a ida às eleições de "A Guarda Primeiro" haverá uma dispersão de voto que já vimos que será favorável à candidatura de Álvaro Amaro, uma vez que a sua posição saiu reforçada com esta decisão que é coerente com aquilo que ele diz desde o início da pré-campanha. Caso o tribunal não permita essa ida às eleições de "A Guarda Primeiro" que vai sair reforçado é José Igreja e o seu Partido Socialista (PS) que poderão ter para si aquilo a que eu chamo "os votos da vingança menor e os votos do mal-o-menos". Claro está que nesta última versão assistiremos ao regresso dos desavindos ao PS, talvez com o "rabo entre as pernas" e com aquela típica versão muito portuguesa do "eu sempre estive deste lado, fui foi ver o que os outros faziam para te dizer". 
Seja lá como for a história, aqui estaremos para ver o seu desenlace. Uma ou duas certezas, porém, ficam desta decisão do Tribunal Constitucional: primeira, a três a vitória é laranja; segunda, a dois ficaremos pelo rosa. Esta é, pelo menos, a minha leitura dos dias hoje.

quarta-feira, setembro 04, 2013

Acordos na Guarda? #12 - Guarda ilegal

Há pequenos pormenores que fazem a diferença nesta coisa da política e que fazem como cidadão eleitores, tal como eu, acreditem nos políticos de partido ou de listas independentes. Uma delas é a transparência e a clareza da intenção com que se candidatam (o que, digamos, ninguém consegue trazer para a campanha, pois é sempre um jogo de oportunidades e de sombras). Outra é o conjunto de apoiantes e de gentes que rodeiam as candidaturas sem mostrarem que estão ali, mas que se vai notando que estão por pequenos elementos que fazem a interligação entre "famílias". Outra ainda é a forma honesta como conseguem, ou não, obter aquilo que a democracia (não me apetecendo fazer qualquer alusão a este nome tão abstracto e tão difícil de perceber) prevê, por exemplo a recolha de assinaturas. Neste último campo parece-me que devemos estar conscientes de que há formas legítimas de recolher assinaturas (por exemplo, quando explicamos às pessoas que as assinaturas servem para x e elas acedem e assinam) e outras que não são aceitáveis (por exemplo, pedir a alguém que passe nomes das listas eleitorais e que assine por esses mesmos nomes). Não é democrático aquilo que se consegue cometendo um crime, mas isso é só um pormenor, não é?

segunda-feira, setembro 02, 2013

Pensalamentos #120 - conta gotas

seguir
estrondosamente
com a calma vagueante
de gotas de sangue
a flutuar pela vida

Momentos em imagem #17 - os nossos homens


O Tiago Anjos criou e partilhou esta imagem. Eu faço-a chegar até vós. Estes são os nossos homens que lutam para voltar para junto das suas famílias e de nós. Nós estamos à espera deles e todas as nossas orações são por eles. Volto a pedir-vos, a vós, boas energias e um lugar para eles nas vossas orações.