Mostrar mensagens com a etiqueta literatura. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta literatura. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, abril 30, 2014

Como comprar ou encomendar o livro "Refracções em três andamentos"? (actualizado)


(Actualizado no dia 04-04-2015)

O livro "Refracções em três andamentos" está neste momento à venda em Famalicão da Serra (na casa de infância deste vosso humilde servo) e em Moimenta da Serra - Gouveia, (na casa actual).



Para efectuar encomendas para fora dos locais indicados basta enviar um email para silenciosasdiscussoes@gmail.com, referindo no assunto da mensagem: Encomenda do livro REFRACÇÕES. Para um envio mais rápido, juntem logo a morada para onde pretendem o envio do livro.


O preço é este:

- Compra num local de venda ou ao autor = 9 euros 5 euros


- Envio através dos CTT = 10 euros 6 euros*
* Já inclui despesas de envio.

Atenção: sobram cerca de 10 exemplares. Depois destes, não há reedição. 

quinta-feira, abril 17, 2014

Gabriel García Márquez: tanto que ficou por escrever


Em 2002, ano em que me divertia noite dentro com livros, Gabriel García Márquez lançava "Viver para contá-la" a então primeira parte daquilo que se pensava vir a ser uma autobiografia em dois volumes. "Devorei" aquele pequeno tesouro em dois ou três dias e esperava ansiosamente a sua continuação. Com o passar do tempo e com as más notícias que a saúde de García Márquez gritava, comecei a temer não vir a conhecer essa segunda parte. Hoje a pior notícia chegou! 
Claro que já algo naquele homem estava silenciado, fazendo lembrar o início do seu primeiro conto publicado, "A terceira resignação": "Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conhecia já, mas que agora se lhe apresentava agudo e doloroso, como se de um dia para o outro se tivesse desabituado dele." E é este silêncio, tão pleno de palavras, que hoje ganha vida com a morte de um García Márquez que eu, na minha leitura, aprendi como simples e tremendamente vivo!
Até sempre, Mestre Márquez! 


terça-feira, março 11, 2014

O Homem Sem Cabeça

(Carregue nas imagens para aumentar)



















(alguns desenhos de José Paulo na adaptação para Banda Desenhada que efectuou do livro As Aventuras de João Sem Medo, de José Gomes Ferreira)

quarta-feira, novembro 20, 2013

Amanhã, pela Guarda.

Amanhã vou até à Guarda! Até à Guarda que é culturalmente rica e que aceita a multiplicidade de opiniões. Talvez me cruze com pessoas, poucas ou muitas, e com muitas opiniões. Com toda a certeza encontrarei amizades e pessoas com as quais gosto de estar.
Primeiro hei-de ir até ao Liceu para, com o Zé e os seus alunos, conversar sobre Literatura, amanhã com uma especial atenção ao teatro. E com toda a certeza haverá tempo para falar do Teatro Municipal da Guarda e dos problemas que a "glória de mandar!" de um e que a "vã cobiça" de outro, que se apressará a surgir, trarão para o futuro deles. Mas, disso falaremos amanhã pela tarde!
Pela noite, há espaço para um Café a Meias onde, regados com um chá, irei falar sobre os prazeres que vou tendo ao longo dos tempos e com os quais consigo respirar melhor na negra sociedade que cada vez mais nos rodeia. Nesta mesa redonda, estarei com o professor Carlos Reis (do Instituto Politécnico da Guarda) e com o Victor Afonso. Estaria também o Américo Rodrigues, mas "(Malhas que o Império tece!)" agora já não sei quem estará. Claro está que haverá espaço para falar com todos os amigos que por lá andarão e, quem sabe, até com os visitantes improváveis. Amanhã veremos, mas aposto que conseguimos abrir a mesa para quem connosco quiser conversar!
Depois venho da Guarda para casa. E dormirei, certamente, bem mais sossegado.

sábado, outubro 12, 2013

Os Maias, com a visão de João Botelho

Parece-me que, e ao fim de muito tempo, haverá em Portugal um filme ou série (mesmo que em 4 episódios) que poderá ser um bom instrumento de divulgação do livro "Os Maias", de Eça de Queirós. Digo em Portugal porque no Brasil já foi feito um excelente trabalho de divulgação de "Os Maias", nomeadamente através da Rede Globo.
João Botelho, o mesmo que criou o "Filme do desassossego", a partir dos textos do "Livro do Desassossego", de Bernardo Soares (semi-heterónimo de Fernando Pessoa), meteu mãos à obra e parece que irá voltar a surpreender-nos com o tratamento cinematográfico de um grande livro
Eu estou muito curioso para ver o resultado final deste trabalho e lá terei de me contentar em esperar quase um ano.

sábado, junho 29, 2013

O que vai sair daqui #2 - "Eles vão continuar «Os Maias»"

E para piorar a coisa devemos ler aqui as motivações para a criação desta continuação. Ao que parece o dinheiro continua a comandar e já se aproveita Eça para, de certa forma, fugir à sua fina ironia. Aposto (a brincar!) que Balsemão irá ser o salvador do jornalismo tão criticado por Eça, pois não acredito que ele seja caracterizado como um Palma Cavalão do pós-25 de Abril. Vamos ver que ainda surge no personagem Balsemão um sonho, jeito simples de criar prolepses nos romances, em que ele se vê a enterrar uma cápsula do tempo numa cidade provinciana do século XXI.

O que vai sair daqui #1 - "Seis escritores portugueses dão continuidade a «Os Maias» de Eça de Queiroz"

Ora aqui está uma "actividade" (?) que promete criar uma verdadeira guerra de palavras. A iniciativa é do "Expresso" e, tal como o grupo que o sustenta já fez em parte com "Os Lusíadas", promete trazer uma alegre discussão sobre os limites da criação literária. Como é óbvio, os autores convidados são na sua maioria bons e farão um bom trabalho, mas dizer que é a continuidade de "Os Maias" que vai aparecer... é demais! Será que o facto de um jornal fazer 40 anos lhe dá a legitimidade para, de certo modo, vulgarizar as o cânone literário de um país? Estou curioso para saber o que cada autor escreverá, mas talvez a dimensão simbólica das narrativas abertas seja mais importante do que a feira das vaidades que se aproveita da literatura. 
Ler aqui a notícia. 

segunda-feira, outubro 29, 2012

Colaboração com o NG (II)

Seus malandros, já estavam a pensar coisas relacionadas com o Pravda? Não, não! Já sabem que primo pela decência e nunca conseguiria relacionar-me com gente "pouco credível" (reparem neste interessante eufemismo!). Amanhã inicio uma colaboração com o jornal Notícias de Gouveia. Será uma colaboração literária, já que se tratará de uma coluna (logo veremos com que periodicidade) chamada "Conto em 552 palavras" que se dedicará à microficção. Veremos se será ou não do agrado dos leitores e disso irei dando eco!

sábado, outubro 27, 2012

Colaboração com o NG

Para a semana começa a minha colaboração com o jornal NG. Depois dou mais novidades!

quinta-feira, setembro 27, 2012

Coimbra, 8 de Setembro de 2012 (17 horas)




"Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que
não é nada comigo. Distraidíssimo percorro
o caminho familiar da saudade,
pequeninas coisas me prendem,
numa tarde no café, um livro."

(Manuel António Pina)


Farto de ir a Coimbra por motivos médicos. Eis como me encontrava até ao passado dia oito. Já há alguns anos que os motivos que me levavam a Coimbra seguiam um monocromatismo algo negativo e muito longe dos devaneios literários que sempre por ali persegui. Aqui há uns tempos deixei isso de parte e, com a minha vida metida no carro, lá fomos happy family em perseguição de um sonho comum. Sim que isto de ser uma família de professores a tentar sobreviver na Beira Serra é quase impossível (desde os trafulhas que nos vão pregando rasteiras até aos facciosos oportunistas que vão "mamando na vaca", passando pelos cortes cegos no futuro efectuados por demagógicos profetas da melhoria educacional) e carece de intervenção quase divina (sentindo-nos nós autênticos deuses!). Mas, passando, lá fomos nós apresentar a Coimbra o meu livro Refracções em três andamentos. E entrei de novo em casa. Sempre fui um fã incondicional da cidade que me passeou largamente pelas suas ruas e pelos seus recantos mais enegrecidos. E, sim, sempre sonhei que um dia teria o prazer de por ali me apresentar como poeta (não fosse eu um leitor ávido de Antero de Quental!). E esse dia chegou, felizmente! Regressei devagar ao seu sorriso como quem volta a casa! Regressei a uma casa onde passei por tudo aquilo que é possível imaginar. Foi ali que eu pululava quando alegrias, tristezas e dores imensas me atingiram. E ali sentia-me bem. Ali bebia as águas do meu rio, daquele rio que sempre me levou rápido até casa, até à Serra! E nada era difícil de enfrentar com um aliado fluvial ao meu lado, sempre ao meu lado. E aí, no fluir eterno de simbolismo, habitei um mundo tão meu que a cidade talvez fosse diferente para o resto dos homens e mulheres.
Dia 8 foi um encontro de sensações. Muito boas: a união com a amizade real e não falsa, como a que anos depois me rodeou. Boas: o lançamento de um sonho! Más: a memória dos dias simpáticos que se perderam em tantas e tantas voltas tristes.
Encontrei o Vítor Oliveira! Encontrei o João Rasteiro! Encontrei a Susana, o Hélder e a Leonor! Encontrei a Viviana e conheci a Carolina e o Ricardo! Encontrei a Paulita! Encontrei o professor Xavier Viegas e a Teresa! E conheci a Alice e a bela família da Joana! E tudo debaixo do mágico olhar na Nice e do Sérgio! E tanto mais, tanto mais. As emoções deste reencontro foram muitas e temo aqui esquecer-me de alguém.
Reencontrei-me com a minha manita, com a Joanita! E claro, conheci o Jorge!
E reencontrámo-nos com a música, com a vida e com a solidão, olhando para o livro e para os seus habitantes negros e, tantas vezes, desgovernados. O resto são palavras sábias e precisas, e uma análise que a cada dia se entranha mais nos ossos, deixando o corpo chorar.
E foi ali, no sítio onde estudei, me apaixonei, cantei, formei, vivi, convivi, chorei e tantas outras coisas, que deitei uma lágrima e embarguei a voz.
E mais não disse, porque tive medo!

segunda-feira, setembro 24, 2012

Guarda, 7 de Setembro de 2012 (21h30m)

Foto roubada ao manuel a. domingos


A Guarda é uma cidade estranha e tem gente muito interessante. Estes três seres, que parecem tantas vezes estar deslocados da realidade da cidade, juntaram-se no início de Setembro para falarem dos seus últimos livros, para falarem sobre o acto de escrita e para falarem sobre tudo aquilo que viesse ao caso na hora. O certo é que foi mesmo assim que aconteceu e lá se discutiu tudo aquilo que foi necessário discutir e lá se falou de tudo aquilo que acharam por bem falar. A conversa foi interessante, pintalgada aqui e ali com poemas e com desafios de leitura, a conversa foi sobre a vida editorial destes três autores e a conversa tratou de colocar no devido sítio a questão da opção estética de cada qual. Diferentes! Sim, muito diferentes. Com trajectos muito diferentes. Sim, muito diferentes!
Não foi a primeira vez que nos encontrámos, os três, para participarmos numa iniciativa deste género, mas foi a primeira vez que falámos mais e mais sobre nós, sem que alguém o fizesse por... nós. O Américo lembrou isso e eu lembrei-me de ter adormecido dentro disso. O manuel é o mais (desculpa, manuel!) inquisidor, mais perguntador, mais curioso. Ou talvez não e tenha sido apenas uma questão de noite.
Não vendi nenhum livro. Talvez os livros estejam caros e as pessoas não queiram passar fome física. Talvez os livros sejam demasiado intragáveis e as pessoas queiram alimentar-se do conforto do silêncio que as vidas enfadonhas e obedientes exigem. Talvez as pessoas, unicamente, não me queiram ler. Talvez seja isso tudo. O que é certo é que houve pessoas a entrar e a sair do Café Concerto, olhando, odiando, ouvindo, odiando, rindo, ouvindo, interessando-se, embrenhando-se, percebendo e até querendo mais e mais e mais do que o frio estado de abulia.
E a conversa continuou até quase à meia-noite, quando decidi regressar a casa e ao esquecimento dos outros.

P.S. - Talvez as pessoas não queiram ou talvez as pessoas queiram e não são deixadas. Tenho pena das que optam pela segunda opção.   

quarta-feira, setembro 19, 2012

FNAC Almada: agora também aqui!


Desde o passado fim-de-semana, podem encontrar o meu livro Refracções em três andamentos à venda na loja FNAC do Fórum Almada. Assim fica mais uma opção para aqueles que querem chegar-se ao livro. Vão lá, folheiem-no e, caso o sintam vosso, comprem-no! Daqui a uns dias farei a leitura destes dias de viagem literária.

quarta-feira, julho 18, 2012

Momentos em imagem #8 - Nota do lançamento do livro Refracções em três andamentos



Estas imagens são da sessão de lançamento e apresentação do meu livro Refracções em três andamentos, no dia 7 de Julho de 2012. Nelas estou eu e a minha "manita". Teimosos como um raio e perfecionistas até dizer chega, voltámos a encontrar-nos num momento especial. Ela, exímia e perspicaz, ofereceu-me e aos presentes (que não eram muitos mas eram bons e atentos) uma análise extremamente clara e rica em significados, conseguindo surpreender-me na descodificação das mensagens e do "ruído" que, segundo ela, eu grito ao mundo. Gostei muito da apresentação e, quando a puder publicar aqui, recomendo completamente a sua leitura. Eu, crónico e humilde, lá agradeci, talvez em demasia (não sei), a ajuda e a confiança que muitos dos presentes me têm votado ao longo dos tempos, seja através de palavras de incentivo, seja através dos ensinamentos que um dia me passaram e que hoje são parte de mim. À minha família, centro do meu mundo e fonte da minha força, invoquei-a como parte vital do "eu" que sou e serei sempre. Em suma, adorei o reencontro com a minha "manita" e rendi-me às palavras da leitura de uma obra que ela conhece bem. Concordo contigo, Joana: é um livro que não deixa ninguém indiferente!

terça-feira, julho 17, 2012

Li: 2666, de Roberto Bolaño



Dava conta, aqui há dois meses, que tinha empreendido um desafio colossal. Pois bem, há cerca de três semanas terminei a leitura de 2666, de Roberto Bolaño. Fantástico romance, enorme volume de informações, decadente retrato do meio literato e académico, do mundo da política e da sociedade de valores éticos. Dividido em cinco partes, o romance vai procurando conhecer um escritor alemão que tem como pseudónimo o nome Benno von Archimboldi. De forma doentia, e sem olhar a eufemismos na hora de dar nomes à sociedade, Bolaño constrói um universo literário que coloca a questão: para quê preocupar-me com os outros se sou eu que interesso?
Pena só o fim trágico do autor, pois o romance deixa em aberto, na última das partes, um fim, quem sabe, intenso e surpreendente. Mas este fim, infelizmente, nunca o iremos conhecer.
Livro a ler e a reter na memória por muitos e muitos anos, que não é aconselhável a gente conservadora e com dificuldade em aceitar o "calor" tão típico da literatura sul-americana.

terça-feira, julho 03, 2012

Livraria de autor (actualizada)


Não irei avançar, para já, nomes de locais onde o livro
Refracções em três andamentos, da minha autoria, irá estar à venda futuramente.


Neste momento, quero informar-vos de que o preçário será este:

- Sessão de Lançamento (7 de Julho) = 7 euros
- Posteriormente = 9 euros

- Encomendas por email (feita e paga até ao final do dia 7 de Julho) = 8 euros*
- Posteriormente = 10 euros*
* Já inclui portes de envio.



Para efectuar encomendas basta enviar um email para
danielroc@gmail.com, referindo no assunto da mensagem: Encomenda do livro REFRACÇÕES. Para um envio mais rápido, junte logo a morada para onde pretende o envio do livro.

quinta-feira, junho 28, 2012

Eu e a Revista Praça Velha n.º 31 e o Fio da Memória




Hoje, pelas 18 horas, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL) - Guarda. Na revista participo com uma recensão (a que dei o nome «A “palavra essencial” esquecida: acidente poético fatal, de Américo Rodrigues») ao livro Acidente Poético Fatal, de Américo Rodrigues, e na colecção "O Fio da Memória" com o Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012 - Textos.

Abaixo leiam mais sobre o conteúdo da Revista Praça Velha 31 e sobre os novos números da colecção "O Fio da Memória".


"A Câmara Municipal da Guarda promove, no próximo dia 28 de junho, quinta-feira, na Sala Tempo e Poesia da Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, pelas 18h00, o lançamento da Revista Cultural Praça Velha nº 31 e dos números 105 ao 109 da coleção “O Fio da Memória”.
O número 31 da Revista é dedicado ao tema "Comunicação Social na Guarda no Século XX" e contará com a colaboração de Adriano Vasco Rodrigues, Jesué Pinharanda Gomes, Victor Manuel S. Amaral, Aires Antunes Diniz, Manuel Leal Freire, António José Dias de Almeida, Joaquim Igreja, José Luís Lima Garcia e Luís Vieira Rente. A Grande Entrevista ao Dr. António José Teixeira é conduzida por Helder Sequeira. Poesia conta com a participação de Cristino Cortes. Portfolio é da responsabilidade de Ricardo Marta. Recensões críticas de livros e Cd’s incluem colaborações de André Boto, António Cunha, António José Dias de Almeida, Daniel António Neto Rocha, Francisco Manso, Joaquim Martins Igreja, José Alberto Ferreira, José Maria dos Santos Coelho, José Monteiro, José Manuel Suzano Louro, Ludgero Paninho, Pedro Dias de Almeida, Regina Gouveia e Vítor Afonso. Este número termina com a já habitual Súmula de Atividades Culturais.
A Coleção “O Fio da Memória” contará com mais cinco opúsculos dedicados aos seguintes temas: “João Nunes Velho - Vida em Poesia” de António Sá Rodrigues; “Julgamento e Morte do Galo do Entrudo 2012 - Textos” de Daniel Rocha; “Vela - O Teatro num Lugar” de António Manuel Gomes e João Neca; “Na sua mão direita - Manuel de Vasconcelos curador do sofrimento humano” de Manuel Poppe e “O dia em que a terra desabou” de Gabriela Marujo." (Fonte: Câmara Municipal da Guarda)

segunda-feira, junho 18, 2012

Ecce diem libri!





Dia 7 de Julho, às 16 horas, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (Guarda). Durante a semana divulgarei os restantes dados. Para já, espero que seja um bom dia para vós, pois gostava de vos ver por lá!

sexta-feira, junho 01, 2012

Lá vem livro!

Estou a ultimar os preparativos para o meu primeiro lançamento de livro. Será em Julho! É um livro que vem com algum tempo de atraso, mas que tem as suas virtudes. É de poesia e espero por vós no dia do lançamento. Em breve darei dados mais precisos.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

Li: Teorias, de manuel a. domingos


Ainda num período de "ressaca" depois da leitura do livro Teorias, faço apenas um pequeno comentário de extremo contentamento. Mais do que lirismo, manuel a. domingos aposta, e muito bem, na espontânea fluidez das ideias, mesmo quando elas parecem incompatíveis com o fazer poesia. Um exemplo perfeito disso é o poema com que encerra o livro: "O poeta sentado/ observa/ o seu umbigo// Vê como/ é perfeito// O poeta retira/ do umbigo/ o cotão/ que se acumula/ (...)". É neste tom, irónico e consciente, que ele constrói uma dialéctica interessantíssima entre a poesia, a teoria da literatura e a vida (a real e quotidiana).
Uma pequena obra, edição de autor e limitada, que merece ser lida e usufruída por quem gosta de poesia.

P.S. - Este livro pode ser encomendado ao autor pelo endereço electrónico: manueldomingos@gmail.com