Mostrar mensagens com a etiqueta Pensalamentos. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Pensalamentos. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, fevereiro 28, 2017

quinta-feira, outubro 27, 2016

quinta-feira, setembro 17, 2015

Pensalamento #281 - genocídio 3.1 séc. XXI

vergonha
VERGONHA
o método moderno
EUROPA

fronteiras cruéis
fechadas 
molhadas
assassinas

Europa
onde os campos de concentração pululam 
e as fronteiras, abertas aos crimes económicos, se fecham às vidas humanas

europa
não, não merece
esta europa
as lágrimas frias e cortantes das crianças que hão-de morrer na moderna europa

Vergonha
método europeu
vergonha

quinta-feira, setembro 03, 2015

Pensalamentos #280 - Aylan Kurdi

silêncio

o brilho da noite
o canto de embalar
o sossego do olhar

silêncio

a vida em botão
o riso da viagem
o passeio pelo mar

silêncio

vazio
vazio
vazio

silêncio

terça-feira, maio 26, 2015

Pensalamentos #279 - perseguição

a bem e a mal
com não sei que intenções
fui declarado "perseguido"
"acusado" "mal-amado"
e até "feio"

a bem e a mal
dada a coisa estropiada
eis a culpa


sexta-feira, abril 03, 2015

Pensalamentos #278 - esquecimento

morri
desculpa a falta de aviso
mas o tempo voou

eu
desabituado destas desventuras
pensei que sonhava uma má ficção
morri
ontem
pela tarde
nos teus braços
e
nem 
te avisei

segunda-feira, janeiro 05, 2015

sábado, novembro 01, 2014

terça-feira, outubro 28, 2014

Pensalamentos emprestados #19 - crime, assumem eles


"a simples existência de certos homens é já um crime"


(personagem Beresford, em Felizmente há luar!, de Luís Sttau Monteiro)


Por vezes tenho a sensação de ser sobre mim, esta fala!

segunda-feira, outubro 13, 2014

Pensalamentos #271 - dias aziados

jogar ao azar
entre os dados de pedra
diabos insaciados
crentes no evangelho esquecido

caminhar por entre ídolos
adorados nos tempos livres
em suaves prestações

rever as pedras tombadas
de raiva escondida
e colher os frutos amargos
de um doce embalo 

quinta-feira, setembro 11, 2014

Pensalamentos #269 - fim

tudo se transfigura
numa metamorfose aparente
ou invulgar
e transforma
irreverente ou consciente

tudo se enovela
em gotas de sangue quente
ou gélido sabor
e tece
visionário ou derrotado

tudo tem um fim
em tons invisíveis
ou impossíveis
e se inicia
presente


sábado, agosto 30, 2014

Pensalamentos #267 - veneno social

abrupto
o veneno social
a destilar
com contornos morais
pago com dinheiros públicos
desde 1975

o exemplo maior
da preocupação elitista social
que vai fingindo 
que o mundo em que vive
é dele e só dele