terça-feira, fevereiro 17, 2015

O pós "Galo do Entrudo" 2015

(Belíssima foto - Foto do Município da Guarda)

(Foto do Município da Guarda)

(Foto do Ricardo Marta)

Sou, por natureza, curioso e, não sei se já o sabem, gosto muito criatividade. E gosto muito de criatividade associada às artes e aventuras com as quais me enlaço. Sendo assim, fiquei muito satisfeito pelo envolvimento que o meu texto para o "Galo do Entrudo" mereceu. O texto, convém dizê-lo, pretendeu ser simples, claro e humorístico, ao mesmo tempo que catártico (purificador). Penso que conseguiu passar a(s) mensagem(ns) e fazer com que quem assistiu se sentisse bem disposto (apesar do frio). E mais não direi sobre o texto ou o seu conteúdo ou sobre as voltas que o mundo dá ou que não dá e alguns teimam em dizer que são efeitos da crise.
Encenação e envolvimento... Adorei! Compassos de espera perfeitos (para quem não está habituado a aperceber-se da difícil movimentação de carros e pessoas na Guarda pareceu tempo a mais), entrada das personagens envolvidas numa marcha muito bem tocada pela Banda de Famalicão da Serra (a minha terra) e um apetitoso duelo de claques (a lembrar as últimas movimentações futebolísticas). Tudo isto antes de um muito bom espectáculo de marionetas gigantes que nunca vi em mais lado nenhum. Uma óptima ideia do Américo Rodrigues e de toda a equipa que ele coordenou! Por fim, a receptividade do público em mais uma noite fria, só para gente de "raça serrana". 
Em suma, um óptimo trabalho! 

Já ouvi que a Câmara irá reflectir sobre este acontecimento de forma a transformá-lo em algo mais atractivo, temporalmente falando, ou de forma a "matá-lo". Eu penso que tudo aquilo que nos diferencia positivamente é essencial para a valorização territorial e para o ganhar de novos públicos. E este espectáculo faz isso! Associar mais coisas e cativantes para que este seja um destino carnavalesco de mais do que um dia... talvez não seja uma má ideia. "Matar" a "Morte do Galo" é matar mais um pouco daquilo que fazemos bem e de forma única. Esta ideia soa-me sempre àqueles dias em que desaparece mais um dos "mais velhos" na minha aldeia. Aqueles dias em que a memória de ontem se indefine no ar e se perde. Mas, claro, esta é a minha opinião e vale muito pouco. Mas tenho pena...

Honra seja, portanto, dada aos nomes que se esforçaram para que este espectáculo tenha tido um grande ambiente.


(Ficha técnica do "Galo do Entrudo")


Enviar um comentário