terça-feira, maio 28, 2013

Notícia: Curso de Combate a Incêndios Florestais abre a 7.ª Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão






"Realizou-se no passado dia 25 de Maio de 2013, em Famalicão da Serra – Guarda, o Curso de Combate a Incêndios Florestais com o qual se abriu a 7.ª Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão.

Pelo sétimo ano consecutivo, o Projecto Sérgio Rocha e o Portal Bombeiros.pt associaram-se para trazer à memória de todos o trágico acidente que a 9 de Julho de 2006 ceifou a vida a seis bombeiros, entre eles o bombeiro português Sérgio Rocha, e assim evitar que os mesmos erros sejam cometidos e que mais vidas se percam. Desta forma, uniram-se e contaram com o apoio dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra, da Junta de Freguesia de Famalicão da Serra, da Afocelca e do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) da Universidade de Coimbra para realizar um Curso de Combate a Incêndios Florestais com um enfoque extremamente prático. Convém realçar que a organização deste Curso focou de forma clara que esta era a primeira de um conjunto de actividades que serão realizadas em Famalicão da Serra durante o ano de 2013, sob o nome de 7.ª Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão. Entre estas actividades, destacou a organização, “irão realizar-se sessões de cinema e de música, sendo que no último trimestre do ano irá realizar-se um Curso sobre Uso do Fogo”.

Este Curso de Combate a Incêndios Florestais ofereceu aos cerca de 40 (quarenta) participantes um conjunto de lições que pretenderam aumentar a capacidade de análise e de actuação das equipas de combate, visando, por um lado, uma melhoria na intervenção e uma capacidade de observação que permita uma acção eficaz e em segurança. Na lição de abertura, Daniel Rocha, responsável pelo Projecto Sérgio Rocha, visitou a história e fez o retrato dos principais momentos do incêndio de 2006, apresentando de seguida algumas das conquistas que desde 2007 e até 2012 a Jornada de Análise ao Incêndio de Famalicão já tinha obtido através da sugestão de alterações a entidades governamentais. Finalizou com a apresentação dos objectivos para o que resta de 2013 e para o ano de 2014, anunciando que será iniciado um projecto que visará a realização de um documentário sobre o incêndio de Famalicão e anunciado que seguirá para a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) uma proposta de colaboração para o lançamento de um projecto de fabrico de uma mochila de transporte de “fire-shelter” que seja de origem portuguesa e que possa conjugar os factores da segurança, da eficiência, do conforto e do preço. Para além destes importantes objectivos, salientou que a realização da Jornada nos anos seguintes evoluirá para uma maior ocorrência de actividades relacionadas com os incêndios e distribuídos pelo ano inteiro. Após esta apresentação, Carlos Rossa forneceu aos presentes uma lição que focou principalmente o tema da segurança no combate, destacando-se aquele que é, no seu entender, um instrumento extremamente fácil de utilizar e com uma capacidade enorme de permitir um combate eficaz e seguro. Baseado no sistema norte-americano LACES, Rossa sugere a implementação deste sistema de segurança no combate através da sua tradução para o sistema MARCAMonitorização, Ancoragem, Rotas de Fuga, Comunicação e Área de Segurança, permitindo desta forma uma maior identificação do combatente português com a terminologia portuguesa e uma maior capacidade de implementação pela proximidade linguística. Seguiu-se a lição de David Davim, que focou o tema do combate e que forneceu algumas pistas de actuação tendo em consideração a observação de um conjunto de factores que são essenciais no desenrolar de um combate eficaz. Destacou-se nesta lição a questão do Alinhamento de Factores e a importância da sua integração no Sistema de Gestão de Operações (SGO), possibilitando desta forma uma maior capacidade de previsão da evolução do combate. Foram duas lições muito complementares e que forneceram dicas de actuação muito úteis e que tiveram uma excelente recepção por parte dos participantes.

Da parte da tarde, foi a vez da lição de Domingos Xavier Viegas que, com a facilidade de exposição que lhe é reconhecida, fez num primeiro momento uma revisão pela história recente ao nível dos números de incêndios florestais que ocorreram depois de uma época de chuvas intensa, relatando que é a primeira vez que estamos a chegar ao final do mês de Maio com um índice de chuvas tão elevado e alertando que, caso a época de chuvas termine agora, poderemos esperar uma fase complicada ao nível dos incêndios florestais no final de Julho ou início de Agosto. Após esta chamada de atenção, seguiu-se uma lição sobre as medidas de segurança mais eficazes perante a possível ocorrência de fenómenos extremos do fogo, não se coibindo de alertar os presentes para a possibilidade de, perante alguns desses fenómenos extremos e perante algumas condições do incêndio, ser impossível fazer um combate em segurança, sugerindo que nesses casos se recue para uma redefinição de estratégia. Numa lição sempre pontuada com conselhos de combate (como ocorreu nas lições da manhã), Domingos Xavier Viegas terminou a sua intervenção com uma referência ao Incêndio que em 2012 consumiu os concelhos de Tavira e de São Brás de Alportel, fazendo referência às falhas existentes e dando conselhos sobre actuação em condições idênticas.      

Após este conjunto de lições comunicações, que aconteceram na Casa da Cultura de Famalicão, o grupo deslocou-se para o local do acidente, em plena serra de Famalicão, fazendo a pé o trajecto que em 2006 foi percorrido pelos seis homens e tomando conta das dificuldades que eles teriam sentido naquele trágico dia. Este “staff-ride”, o único que se realiza na Europa, foi orientado por Domingos Xavier Viegas e foi complementado com as palavras de alguns dos homens que combatiam em 2006 naquele incêndio, tendo Mário Santos (hoje 2.º Comandante da Corporação de Famalicão da Serra) relatado visivelmente emocionado o momento em que viu o Sérgio Rocha pela última vez e o momento em que saiu queimado do incêndio. No final, antecedendo o minuto de silêncio que encerra cada Jornada, todos os presentes sentiram vontade em apoiar a iniciativa de criação da Mochila de transporte do “fire-shelter”, pois será uma forma de ser ultrapassado o desconforto que cria resistência por parte dos bombeiros à sua utilização. Orlando Ormazabal, um dos apoiantes da iniciativa e representante máximo da Afocelca, aproveitou este momento junto ao local onde foram encontradas as ferramentas dos seus combatentes e compatriotas para contar a sua experiência pessoal ao nível da utilização do “fire-shelter”, revelando-se emocionado com a forma como é acarinhada e lembrada a memória daqueles que caíram. A sessão terminou com um minuto de silêncio e com uma fotografia de grupo, prometendo a organização mais actividades para os próximos meses."


(Fonte: Bombeiros.pt)
Enviar um comentário