sexta-feira, dezembro 11, 2015

"Bartleby", pelo Teatro do CalaFrio, estreia no dia 17 de Dezembro



Estreia no Teatro Municipal da Guarda, nos dias 17, 18 e 19 de Dezembro, 21h3o

Teatro do Calafrio
apresenta

Bartleby

- baseado em "Bartleby, o Escrivão, uma História de Wall Street", de Herman Melville
Adaptação de Pedro Dias de Almeida
Encenação de Américo Rodrigues
Interpretação de Valdemar Santos e Vasco Queiroz, Daniel Rocha e Américo Rodrigues
Música de Miguel Cordeiro
Luz de José Neves
Imagens fotográficas de Alexandre Costa

Operação de som e luz de João Paulo Neves
Fotos de cena de Xano Costa
Cartaz de Pumukill


A seguir aos espectáculos realizam-se encontros com o público:
- Dia 17 com actores e encenador
- Dia 18 com António Bento (Ubi)
- Dia 19 com adaptador do texto Pedro Dias de Almeida



Não deixa de ser irónico que Bartleby, personagem criada por Herman Melville em 1853, tenha alimentado tantos textos e reflexões de grandes pensadores até aos dias de hoje. Este herói da inacção – ou, decididamente, um exemplo radical de anti-herói – que a tudo responde com a frase «preferia não o fazer» («I would prefer not to») sem nunca abandonar uma profunda indiferença e impassibilidade perante o que o rodeia foi intrigando e encantando geração após geração e chega aos labirintos do século XXI com perfeita actualidade, obrigando-nos a questionar as bases de uma modernidade que ainda hoje ilumina os nossos dias.
A história de Bartleby é-nos contada pelo advogado sereno e «pouco ambicioso» que o contrata como escrivão no seu escritório na Wall Street, em Nova Iorque. Relutantemente, mesmo sem perceber muito bem porquê, ele torna-se cúmplice da inacção de Bartleby, tolerando até ao fim todas as suas injustificadas recusas. É este um «livro triste e verdadeiro onde se mostra que a inutilidade essencial é uma das quotidianas ironias do universo», como escreveu Jorge Luís Borges, ou um «texto violentamente cómico» que «não pretende ser símbolo de nada», como defendeu Gilles Deleuze? É Bartleby um «novo Messias» - como defende Giorgio Agamben - que «não vem, como Jesus, para redimir o que aconteceu mas para salvar o que não aconteceu»?
Levar a inacção fundamentalista de Bartleby para um palco de teatro é um risco e um desafio. Esta não é a primeira vez que isso acontece. O dramaturgo espanhol José Sanchis Sinistierra fez, em 1989, uma adaptação dramatúrgica da obra do escritor norte-americano e, em Portugal, os Artistas Unidos estrearam, em 2001, História do Escrivão Bartleby, com texto de Francisco Luís Parreira e encenação de João Meireles, recriando livremente diálogos e personagens. Nesta adaptação procurámos ser muito fiéis às palavras de Melville e ao modo como, literariamente, ele apresentou Bartleby ao mundo, contribuindo, como sublinhou Deleuze, para criar um arquipélago onde também podemos encontrar os nomes de Kleist, Dostoievski, Kafka ou Beckett.

Pedro Dias de Almeida




BARTLEBY E A RESPONSABILIDADE

O Escrivão Bartleby: Uma História de Wall Street, é um dos relatos mais estranhos da história da assim chamada «literatura ocidental»; e continuará decerto a sê-lo numa época aparentemente tão auto-suficiente e tão auto-explicativa quanto a nossa. Não deve, portanto, surpreender-nos que aos olhos do mundo literário americano do século XIX o relato de Herman Melville possa ter surgido como uma autêntica extravagância. A crítica coeva ficou perplexa diante de uma obra imediatamente apodada de absurda e incompreensível. Sintomaticamente, tanto uma interpretação literal como uma interpretação simbólica deste conto pareciam - ontem como hoje - desembocar num beco sem saída: ora se via em Bartleby uma impossível charada; ora se a considerava uma obra de conteúdo profundo e enigmático.
Na verdade, este conto de Melville contém algumas das expressões mais célebres daquilo a que, por pura comodidade ou simples preguiça, costumamos chamar «literatura». Trata-se das locuções repetidamente empregues por Bartleby, o pálido e espectral copista, para, aparentemente, declinar as suas obrigações profissionais. Em primeiro lugar, «I would prefer not to» («Preferiria não o fazer»); depois, uma vezes como complemento outras como simples defesa, «I want nothing to say to you» («Não tenho nada a dizer-lhe»). O que significa esta declinatória? Significa, em primeiro lugar, que Bartleby reclama o direito a estar calado, o direito a nada dizer, significa, em suma, que Bartleby prefere não ser interpretado, que prefere não ser julgado. Com efeito, quem, como Bartleby, prefere não ser interpretado, quem prefere não ser compreendido, quem se apresenta como alguém sem personalidade, incompreensível, ininterpretável, sem história e sem biografia, sem privacidade e sem povo, quem, como os prisioneiros de guerra, se nega a dizer mais do que o seu nome, quem, como Bartleby, procura defender-se de toda a interpretação, quem se recusa a tomar parte no show, quem resiste a identificar-se e a apresentar a sua pequena história pessoal, a pequena mentira que o pode tornar tolerável junto dos seus semelhantes, esse tenderá quase sempre a ser considerado suspeito e culpado, pois o seu silêncio já só pode ser entendido como uma declinatória que delata a paródia imunda em que se converteram a palavra e a justiça.
Neste conto de Herman Melville é-nos dito que a sua personagem central, o escrivão Bartleby, preferiria não responder às perguntas que o seu patrão, um advogado de Wall Street, constantemente lhe endereça. Bartleby preferiria preservar o direito a estar calado, activando o direito a não responder. Bartleby, em suma, preferiria não se responsabilizar pelas respostas, preferiria não responder por elas. Todavia, com as suas singulares respostas, Bartleby procurou suspender, separar, cindir o responder a e o responder por. Assim, sempre que Bartleby responde a não responde por; sempre que Bartleby responde a uma pergunta não se responsabiliza pela resposta que dá a essa pergunta. Eis, em suma, a singular responsabilidade de Bartleby…
Dado o carácter irrespondível das perguntas que lhe são endereçadas, Bartleby prefere não responder pelas respostas que dá a essas perguntas. Ou antes, Bartleby responde-lhes, mas com a condição de que as suas respostas sejam sempre enunciadas no tempo condicional do verbo: «I would prefer to give no answer» («Preferiria não ter de responder»). Tendo em conta que Bartleby só raramente fala, e que, sempre que o faz, é fundamentalmente para declinar a obrigatoriedade de responder às perguntas que lhe fazem, podemos eventualmente presumir que a estranha repetição da locução toma o aspecto de uma conjura, mas - e aqui se joga algo decisivo - nunca num sentido meramente afirmativo. Dado o carácter condicionado e condicional das suas respostas, que condicionam, por seu turno, o reatar de novas perguntas por parte do advogado, poder-se-ia aqui falar de uma idiossincrática inversão do «abre-te sésamo». Mas se Bartleby carece inteiramente de um sentido normativo de responsabilidade, precisamente porque mesmo quando responde ele deixa claro que preferiria não o fazer, com a sua preferência negativa obriga sempre os outros a uma decisão moral: ora injuriando-o, ora acolhendo-o, ora ignorando-o, ora magoando-o, ora cuidando dele, ora aborrecendo-o. É, de resto, quase sempre sob um destes modos que ocorre a relação que vincula o advogado e os seus empregados a Bartleby.
Inútil, portanto, continuarmos a perguntar: "Quem és tu, Bartleby? De onde vens? E o que queres de nós? Responde-nos, por favor!
"
António Bento

Enviar um comentário