quinta-feira, julho 10, 2014

Ontem e a questão da memória e da atitude no executivo camarário





Como facilmente percebe quem segue este meu blogue, ontem foi dia de revisitar o passado e de respirar o doce sabor da saudade e o triste som da realidade. Como se faz há 8 (oito ) penosos anos, ontem foi dia de subir à serra de Famalicão e daí lançar um grito mudo para onde não se sabe. Ontem, foi dia de visitar o último olhar de seis homens que defendiam o bem comum.

Mas ontem, e pela primeira vez, houve um elemento do elenco camarário da cidade da Guarda que acompanhou a homenagem que todos os anos é feita. Ontem, e apesar de se ter tratado apenas de uma pequena ida ao local, onde os seis homens foram encontrados, por parte de amigo e familiares, e de uma celebração em sua memória, o executivo camarário decidiu que era importante o suficiente para marcar presença. E a pergunta que eu faço é: o que mudou? E eu, tantas vezes crítico e não concordante com as decisões do novo executivo camarário, permito-me dizer que mudou o executivo, logo mudou a atitude. E, por isso, também sei demonstrar publicamente a boa prática e a boa iniciativa do executivo presidido por Álvaro Amaro. E agradecer-lhes essa demonstração de memória e de atitude, que só os honra.


P.S. - Nunca percebi o afastamento que durante sete anos os membros do executivo anterior votaram à memória do momento em que o meu irmão e mais cinco homens partiram. Aliás, ainda hoje não percebo o porquê de um dia terem, nessa mesma câmara, decidido honrar a memória deles com a homenagem do concelho e depois terem deixado que tudo se arrastasse no esquecimento (podem ler aqui o texto A memória de peixe na cidade da Guarda ou "A falta de vergonha?" que escrevi sobre este assunto em 2012). Mas talvez a resposta a este esquecimento esteja bem visível e só eu é que o não veja.
 
Enviar um comentário