quarta-feira, julho 30, 2014

06. Crónicas Silenciosas – Moralidades



Sempre desconfio de quem, do alto da sua imponente inutilidade real, debita conselhos e críticas a quem, espantado pelo desacerto constante de políticas decisões e surreais decisões, vai fugindo à sina imposta e se transforma numa espécie de Robin dos Bosques para sobrevivência familiar. Entre banqueiros, líderes de grandes empresas, políticos, gente bem assegurada pelo erário público, ex-qualquer coisa, descendentes de figuras dos antigos e actuais regimes e, até, ilustres desconhecidos que, vai ver-se, são concubinas ou concubinos de qualquer um dos outros. Daí que aprendi a desconfiar desta “maralha” toda e lanço sempre uma questão: como sobrevivem? “Do seu trabalho”, aponta-me logo o mais perfeito defensor da coisa alheia com um ligeiro interesse a pender sobre si. “Dos lucros dos seus investimentos”, afirma logo outro que conhece tão bem a realidade como nós conhecemos o que vais acontecer ao planeta Terra daqui a um milhão de anos. “Olha, das mentiras que contadas tantas vezes parecem verdades”, liberta infeliz o consciente da desgraça que nos acompanha. E a realidade é bem evidente. Todos os acima não citados, mas insinuados, possuem uma qualidade que é clara: dizem coisas que fazem mas que criticam nos outros. Seja, viver de empréstimos! Seja, consumir acima das necessidades e das próprias posses (apesar do milhão vivem com dois ou três que lhes não pertencem)! Seja, enganar o estado não para sobreviverem, como criticam nos outros, mas para “arrepanharem” mais uns quantos milhares ou milhões! Seja, prejudicar as contas públicas com os seus actos de gestão disparatada, mas elogiada por toda a classe governamental!

Tudo o que acima refiro é uma constatação ingénua e que não possui qualquer validade real, mas que assenta, sobretudo, na memória que tenho (infelizmente, de elefante!) dos anos em que até agora me foi permitido viver.

Para uma conclusão inconclusiva, como não poderia deixar de ser, tenho de fazer aqui uma “declaração de verbo” sobre um assunto que considero essencial para a “limpeza” das falsas moralidades deste país: eu, abaixo assinado, assumo a minha total inclinação para os aventais de cozinha!

Tenho dito!     





Moimenta da Serra, 30 de Julho de 2014

Daniel António Neto Rocha
Enviar um comentário